Tensão em Paris com coletes amarelos, black bloc e marcha do clima

por Carlos Santos Neves - RTP
Na capital francesa, ativistas vestidos de preto entraram em confronto com as forças de segurança, depois de se infiltrarem numa manifestação pacífica em defesa do clima Charles Platiau - Reuters

Uma marcha pacífica em defesa do clima marcada para este sábado, na capital francesa, ficou ensombrada pela ação de ativistas conotados com o movimento black bloc, que entraram em confronto com as forças de segurança e destruíram carros e esplanadas. As autoridades interpelaram também dezenas de manifestantes identificados como coletes amarelos.

Ao início da tarde deste sábado, mais de 7500 efetivos da polícia, apoiados por veículos blindados e canhões de água, ocupavam posições no coração de Paris, numa tentativa de impedir ações violentas adicionais.A polícia francesa contou mil militantes do movimento black bloc em ação nas ruas de Paris.


Segundo dados apurados pela correspondente da RTP em Paris, Rosário Salgueiro, foram detidas 90 pessoas, com a polícia a recorrer a granadas de gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes.

Na Avenida Saint-Michel, manifestantes do movimento black bloc - assim identificados pela polícia de Paris – atiraram diferentes objetos contra as forças de segurança, incendiaram caixotes de lixo e atacaram pelo menos uma dependência bancária.

Aos manifestantes integrados na marcha pelo clima foi pedido que se demarcassem desta fação dita de extrema-esquerda.


A Greenpeace e os Jovens para o Clima, que convocaram a manifestação, vieram entretanto pedir a desmobilização dos franceses, por falta de condições de segurança.

Além da marcha em defesa do clima, as ruas de Paris receberam também mais uma jornada de manifestação dos chamados coletes amarelos, contra as políticas sociais e fiscais do Governo, e um desfile sindical de protesto contra um projeto de reforma das pensões.
Clima. Depois da greve, a marcha

Parte das lojas dos Campos Elísios foi previamente protegida com barricadas. Alguns dos manifestantes tentaram ultrapassar estas barreiras, mas a polícia afiança que não houve estragos de monta.

Milhares de pessoas responderam ao apelo para uma marcha pelo clima em Paris, um dia depois da realização de uma “greve mundial” de proporções históricas.

As vozes de protesto estenderam-se a Lyon, onde, de acordo com a France Presse, estiveram concentradas, durante a manhã, cinco mil pessoas. “Parem o ecocídio”, lia-se numa das faixas empunhadas pelos manifestantes.

Na sexta-feira, o Presidente francês procurou mostrar abertura às expressões de protesto. “É preciso que isso aconteça com calma”, frisou Emmanuel Macron.

c/ agências
Tópicos