Teresa Kerry, entre o sonho e a tragédia

por RTP

Foto: Jonathan Erns - Reuters

É portuguesa a força por detrás de John Kerry, o homem escolhido pelo presidente eleito norte-americano, Joe Biden, para relançar a liderança dos Estados Unidos no combate global às alterações climáticas. Teresa (Simões Ferreira) Kerry nasceu há 82 anos em Moçambique, filha do médico José Simões Ferreira, chefe do serviço de radiologia do então Hospital de Lourenço Marques, e de Irene Thierstein.

O jornalista António Mateus investigou durante quatro meses e meio, em Moçambique, África do Sul e na Suíça as origens luso-africanas, procurando a verdadeira história da sua infância e adolescência na África Austral e tentando desfazer alguns mitos criados em volta dessas raízes.

Entre eles, o de que Teresa era uma aluna brilhante (o que as suas fichas escolares não provam), que se licenciou na África do Sul e doutorou na Suíça (o que não é verdade, porque apenas fez, nos dois países, bacharelatos em áreas diferentes) ou que a sua família teve de fugir de Moçambique após a independência, por o pai ter colaborado com o regime colonial (o que também não corresponde à realidade pois José Simões Ferreira pelas suas ideias e pela sua prática estava mais próximo da oposição do que do então regime de Lisboa.


Teresa à direita, em baixo, com o pai, José Simões Ferreira, radiologista chefe no Hospital de Lourenço Marques, a mãe, Balú, e a irmã Margarida, à esquerda (DR).

Destaques de uma grande reportagem de jornalismo de investigação emitida pela RTP a 30 de julho de 2004, no programa Grande Repórter, sob o título Teresa Kerry, entre o sonho e a tragédia, que aqui recuperamos agora.

Em declarações a António Mateus, o arquiteto Pancho Guedes (amigo próximo da família Simões Ferreira, entretanto falecido) testemunhou o carácter humanista do pai de Teresa.

"Para Simões Ferreira os doentes não tinham raça nem carteira, apenas necessidades de tempo, atenção e cuidados nele sempre disponíveis", assegurou. "Tinha uma casa de férias no Bilene, onde todos os sábados e domingos de manhã dava consultas de graça a quem aparecia. Oferecia medicamentos. Usava o seu carro para ir buscar pacientes".

Depois de a família celebrar a independência de Moçambique, Simões Ferreira acabou por abandonar o país quando elementos afetos à Frelimo ocuparam a clínica onde trabalhava e esta acabou por ser nacionalizada.

Depois de ter completado o liceu num colégio interno da África do Sul (Maris Stella), Teresa conheceu, na Suíça, o milionário John Heinz (herdeiro do império Heinz). Os dois casaram-se em 1966 e tiveram três filhos antes do entretanto eleito senador pela Pensilvânia morrer em 1991 num desastre de aviação.


Casamento de Teresa, em 1966, com o milionário John Heinz (DR).

Um ano depois, como membro da delegação norte-americana à Cimeira da Terra, em 1992, no Rio de Janeiro, a viúva cruzou-se pela primeira vez com John Kerry, senador democrata pelo Massachusetts, como ela um ambientalista.

Os dois casar-se-iam (até hoje) a 26 de maio de 1995.
pub