Turquia insiste com Arábia Saudita para cooperar na investigação caso Khashoggi

| Mundo

O ministro dos Negócios Estrangeiros turco pediu hoje ao governo da Arábia Saudita que coopere na investigação do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi e que autorize os investigadores a entrar no consulado saudita em Istambul.

"Ainda não vimos cooperação para que o inquérito decorra com facilidade e tudo seja esclarecido. É isso que queremos ver", disse o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, à agência turca Anadolu.

As autoridades turcas afirmam que os sauditas responderam positivamente ao pedido turco para fazer buscas no consulado, onde o jornalista foi visto pela última vez, mas que as buscas ainda não foram feitas porque as duas partes têm divergências quanto a aspetos específicos.

Segundo o diário turco Sabah, as autoridades sauditas querem que as buscas sejam apenas visuais, enquanto os turcos querem ter a possibilidade de usar substâncias químicas que poderiam revelar vestígios de sangue.

O ministro turco, que falava à margem de uma visita a Londres, instou a Arábia Saudita a deixar "procuradores e peritos entrar no consulado".

"Onde é que ele desapareceu? Ali, no consulado", frisou o ministro, acrescentando que há conversações em curso para tentar chegar a um acordo.

Jamal Khashoggi, um jornalista crítico do príncipe herdeiro saudita Mohamed ben Salman que escrevia nomeadamente para o Washington Post, entrou a 02 de outubro no consulado saudita em Istambul, para tratar de assuntos administrativos, e nunca mais foi visto.

Quatro dias depois, fontes da investigação citadas pela imprensa turca afirmaram que o jornalista foi morto no consulado.

Tópicos:

Mohamed,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.