150 mil inscritos. Arrancam os exames nacionais do secundário

por RTP
Rodrigo Antunes - Lusa

Têm início esta sexta-feira os exames nacionais do ensino secundário. Estão inscritos quase 150 mil alunos, que deverão realizar 263 mil provas, de acordo com os dados do Ministério da Educação.

Este é o terceiro ano consecutivo em que os alunos do secundário só terão de realizar provas para o acesso ao ensino superior. Está ainda suspensa, por causa da pandemia da covid-19, a regra que exigia a realização de provas para concluir o secundário. Um em cada três alunos inscritos tem por objetivo o acesso ao ensino superior (74 por cento). Seguem-se os estudantes cujo objetivo é melhorar a nota (21 por cento) ou obter positiva à disciplina (seis por cento).

Para a primeira fase dos exames, estão inscritos 148.844 alunos, que deverão realizar 263.330 provas - em média, cada aluno  fará 1,77 exames.

As provas com maior número de alunos inscritos são Biologia e Geologia (perto de 45 mil), Português, (43 mil), Física e Química (42 mil) e Matemática A (cerca de 40 mil).

A primeira fase começa com a prova de Português do 12.º ano, pelas 9h30. À mesma hora, os alunos estrangeiros inscritos do 9.º ano realizam realizar a prova de Português Língua Não Materna.

Esta fase termina a 6 de julho com os alunos do 11.º ano a realizarem as provas de Geometria Descritiva, a partir das 9h30, e História B, às 14h00.Tal como aconteceu nos dois últimos anos, as provas voltam a incluir perguntas opcionais, embora em menor percentagem.


A 11 de julho, são afixadas as pautas com as notas dos alunos do ensino básico, ao passo que as classificações do secundário só vão ser divulgadas no dia 19 do próximo mês.

A primeira fase das candidaturas ao concurso nacional de acesso ao ensino superior decorre entre 25 de julho e 8 de agosto.

O quadro da pandemia do SARS-CoV-2 levou a que a Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior mantivesse a regra segundo a qual os alunos infetados no dia em que deveriam realizar os exames nacionais possam fazê-lo na segunda fase e concorrer à primeira fase do concurso nacional de acesso.

c/ Lusa

 

pub