Arguidos da operação Livro Mágico do SEF condenados

| País

"Várias dezenas de cidadãos obtiveram (...) a nacionalidade portuguesa com base na sua suposta filiação de cidadãos portugueses nascidos nos territórios de Goa, Damão e Diu antes de 21 de dezembro de 1961, o que na realidade não se verificava"
|

Todos os arguidos julgados no âmbito da chamada Operação Livro Mágico foram condenados a penas efetivas de prisão entre os três e os seis anos. A RTP teve acesso ao acórdão em que o Tribunal de Lisboa dá como provados os crimes de associação criminosa, falsificação de documentos e imigração ilegal.

Em causa está uma rede constituída por indivíduos de nacionalidade portuguesa, indiana e moçambicana que se "dedicava a instruir e tramitar processos de atribuição da nacionalidade portuguesa a cidadãos indianos com recurso à fabricação de documentos exigidos pela lei", nomeadamente certidões de nascimento.

O grupo tinha ramificações por vários países: Portugal, Reino Unido, India, Guiné-Bissau, Senegal, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.No total foram acusadas sete pessoas, mas o julgamento prosseguiu apenas com quatro porque o tribunal não conseguiu notificar os outros três.


A rede angariava clientes na Índia que estivessem dispostos a pagar somas avultadas para conseguir a nacionalidade portuguesa e assim obterem um passaporte para poderem entrar na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá. Os montantes em causa podiam ascender a 30 mil euros por pessoas. Sendo que nalguns casos se trata de famílias completas.

A Operação Livro Mágico foi desencadeada em 2013 pelo SEF na sequência de um alerta das autoridades dos Estados Unidos por causa de um cidadão indiano a quem depois de ter sido rejeitada a entrada no país uma primeira vez voltou a fazer nova tentativa, dessa feita já na posse de um passaporte obtido enquanto cidadão português. A verificação das impressões digitais levou a concluir que se tratava da mesma pessoa. Este não foi caso único e muitos dos passaportes portugueses apresentados eram emitidos na Guiné-Bissau o que levou as entidades norte-americanas a desconfiar.

Durante dois anos o SEF levou a efeito uma operação que cruzou oceanos. Muitos casos passaram pela Guiné, onde os cidadãos indianos num dia obtinham autorização de residência. Com essa autorização iam ao consulado português onde conseguiam o cartão do cidadão e o passaporte português. Entretanto, em Lisboa, os documentos forjados eram entregues nos Registos Centrais com uma aparência legal o que levava à sua aprovação.

As buscas efetuadas em dezembro de 2015 pelas autoridades inglesas em Leicester, uma das bases do grupo, e acompanhadas por inspetores do SEF revelaram-se determinantes na conclusão do processo porque permitiram a detenção e extradição de um dos cabecilhas da rede.

O tribunal conclui que "várias dezenas de cidadãos obtiveram desta forma a nacionalidade portuguesa com base na sua suposta filiação de cidadãos portugueses nascidos nos territórios de Goa, Damão e Diu antes de 21 de dezembro de 1961, o que na realidade não se verificava pois a filiação havia sido atestada por certidões de nascimento indianas contrafeitas".

Tópicos:

Acórdão, Arguidos, Associação criminosa, Crimes, Falsificação, Imigração ilegal, Operação Livro Mágico, Penas, Prisão, Tribunal de Lisboa,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.