Barragem do Caia vai abastecer concelhos de Arronches e Monforte

| País

A Barragem do Caia, no Alentejo, que serve as populações de Elvas e Campo Maior, vai passar a abastecer também os concelhos de Arronches e Monforte, além de assegurar uma área de regadio.

O responsável da Associação de Beneficiários do Caia, Aristides Chinita, explicou hoje à Agência Lusa que estão a ser realizadas obras pela empresa Águas do Norte Alentejano para que o abastecimento público a Arronches e Monforte passe a ser efectuado a partir da albufeira do Caia.

"O abastecimento aos concelhos de Arronches e Monforte deverá começar no final deste ano ou princípio de 2007", afirmou o responsável.

A gestão do abastecimento público aos quatro concelhos vai ser da responsabilidade da empresa Águas do Norte Alentejano, constituída pelas Águas de Portugal e pelos municípios do distrito de Portalegre.

Apesar da situação de seca que fustigou a região no ano passado, Aristides Chinita assegurou que a albufeira "tem armazenada água suficiente para garantir o abastecimento durante os próximos anos".

No que respeita à rega, o responsável garantiu que "está também assegurada este ano uma campanha normal".

"Não há preocupação, devido à água que entrou na albufeira nos últimos tempos, e às medidas tomadas de não fornecer água às campanhas de Outono e Inverno para garantir melhor a rega às culturas de Primavera", explicou.

A barragem, que serve as culturas do denominado perímetro de rega do Caia, tem actualmente, segundo Aristides Chinita, um volume de 87 milhões de metros cúbicos de água armazenada, cerca de 46 por cento, a que corresponde uma cota de 225,33 metros.

O responsável previu ainda que a campanha de regadio e o abastecimento público deverão consumir até Outubro deste ano cerca de 38 milhões de metros cúbicos, ficando naquela altura uma reserva armazenada de cerca de 50 milhões de metros cúbicos.

"A prioridade é ter sempre água para o abastecimento às populações e, no caso da seca persistir, faz-se um rateio, e numa situação drástica corta-se toda a água para a agricultura", argumentou.

O volume de água que obriga a efectuar descargas na Barragem do Caia cifra-se nos 185 milhões de metros cúbicos, quando atingir a cota máxima de 233,90 metros.

O regadio serve sobretudo o trigo, milho, beterraba, tomate, olival e pomares.

Noutras zonas do norte alentejano, a situação é diferente, uma vez que a água armazenada nas barragens do Maranhão (Avis) e Montargil (Ponte de Sôr) poderá ser insuficiente para assegurar a próxima campanha agrícola, segundo o presidente da Associação de Regantes do Vale do Sorraia.

Luís Dias alertou que a campanha agrícola, a iniciar em Abril, poderá estar comprometida na região de Portalegre "se não voltar a chover".

O ministro da Agricultura do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Jaime Silva, mostrou-se recentemente preocupado com as reservas de água nas albufeiras do país e admitiu reactivar a Comissão de Seca se não chover este mês.

A informação mais vista

+ Em Foco

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

O ministro dos Negócios Estrangeiros considera, em entrevista à Antena 1, que Portugal tem a vantagem de não ter movimentos populistas organizados.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.