Bastonário desmente atrasos de consultas e cirurgias devido à greve

| País
Bastonário desmente atrasos de consultas e cirurgias devido à greve

A ver: Bastonário desmente atrasos de consultas e cirurgias devido à greve

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, a greve de dois dias justifica-se por razões que não são de agora, que se arrastam e que têm vindo a ter um impacto negativo na vida e nas carreiras dos profissionais.

A greve surge só agora, acrescenta, por decisão dos sindicatos, já que o longo período de negociações com o ministro da Saúde não resultou em acordo em "matérias essenciais".

O bastonário dos Médicos desvaloriza ainda dos alertas sobre os adiamentos de consultas e de cirurgias.

Lembra que nem todos os médicos irão aderir à paralisação e os que o fizerem deverão, na maioria, dar "soluções" aos seus doentes, até porque a maioria está já a ser seguida nos hospitais e não são doentes de primeira consulta.

Os doentes estão a ser prejudicados mas vão ter uma resposta rápida, garante o bastonário, mesmo quanto ao adiamento de cirurgias.

Estas não vão ser adiadas por meses, afirma. "Não temos meses de cirurgias já programadas, temos duas semanas, no máximo."

"Quem gere a marcação das cirurgias irá remarcar as que não forem realizadas hoje e amanhã, para daqui a duas ou três semanas", refere Miguel Guimarães.

A informação mais vista

+ Em Foco

Falta apenas uma semana para as eleicões gerais em Angola. Apesar da crise que afeta o país, os preços imobiliários em Luanda fazem da capital angolana a cidade mais cara do mundo.

Os responsáveis pelo parque prometeram valorizá-lo e vão renovar a frota automóvel e envolver operadores privados nas visitas aos núcleos de gravuras rupestres.

O maior banco francês fez soar os alarmes na Europa ao suspender três fundos de investimento relacionados com créditos nos Estados Unidos.

Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.