BE chama ministro da Educação ao Parlamento

| País

|

O Bloco de Esquerda não gostou da forma como Tiago Brandão Rodrigues saiu das negociações com sindicatos de professores. “O Governo decidiu fazer chantagem", diz Joana Mortágua.

O Bloco de Esquerda pede explicações urgentes do ministro da Educação no Parlamento. "O Governo decidiu fazer chantagem. Chantagem não é negociação, é chantagem", considera Joana Mortágua.

A deputada do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, argumentou que “a forma como o ministro saiu das negociações é lamentável e inaceitável”, em declarações à TSF.

A bloquista diz que a atitude do ministro "não corresponde à palavra dada pelo Governo, nem às expetativas dos professores".

"Há uma lei do Orçamento do Estado que diz que o Governo tem de negociar com os sindicatos o tempo e o modo da recuperação do tempo de serviço", lembra Mortágua na TSF.

"Não estamos a falar de uma impossibilidade orçamental; é uma teimosia do Governo, que entrou numa negociação com uma proposta inaceitável, com base em chantagem e agora quer culpar e castigar todos os professores pelo facto de não querer negociar com o sindicato uma recuperação faseada mas integral do tempo de serviço dos professores".

Esta segunda-feira, Tiago Brandão Rodrigues disse à saída de mais uma ronda de reuniões com os sindicatos que ficava “tudo como estava”. Sem conseguir persuadir os sindicatos a aceitar a contagem de menos de três anos para as progressões nas carreiras, Tiago Brandão Rodrigues retirou a proposta.

“A partir do momento em que as organizações sindicais não avançaram e não deram nenhum passo depois de o Governo ter dado um passo, não existem condições, neste momento, para se proceder a um acordo e irmos para a negociação formal”, atirou o governante.

"O Governo quer castigar milhares de professores por causa de um braço-de-ferro com os sindicatos no qual não tem razão porque a posição do Sr. Ministro contraria a Assembleia da República, contraria a palavra do Governo, a expectativa dos professores e contraria a ideia de que quem trabalhou uma década na escola pública não pode ver o seu tempo de serviço apagado como se não tivesse lá estado", reforçou a deputada do BE, em declarações à agência Lusa.

O Bloco de Esquerda exige que o tempo de serviço dos professores durante o congelamento das carreiras seja contabilizado integralmente.

A posição do ministro significa que os professores não vão ver contabilizados para efeitos de progressão na carreira os nove anos, quatro meses e dois dias que reclamam desde o início das negociações. O Governo retira de cima da mesa a proposta para contabilizar cerca de dois anos e nove meses.

Num contacto posterior à reunião com a tutela, a Fenprof chegou a acordo com outras estruturas sindicais, desde logo com a Federação Nacional da Educação (FNE), para concretizar o pré-aviso de greve às avaliações, já a partir de 18 de junho. E terá havido consenso quanto à possibilidade de uma paralisação que atinja os exames nacionais e o que resta do corrente ano letivo.


A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.