Bebé Matilde. Medicamento mais caro do mundo pode chegar a Portugal este ano

| País

O medicamento pode ser a cura da pequena Matilde Sande, de apenas dois meses, que sofre da forma mais grave da doença, o tipo 1
|

O Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo, poderá chegar à Europa ainda este ano. Em Portugal, o tratemento tornou-se conhecido devido à bebé Matilde, que tem a forma mais grave de atrofia muscular espinhal.

Na Europa, o medicamento poderá chegar ainda este ano, e portanto, também a Portugal, adianta o jornal Público. Em comercialização desde maio de 2018 nos Estados Unidos, o laboratório de biotecnologia que o desenvolveu, o Avexis, avançou com o pedido de autorização para comercializar o medicamento no continente europeu em outubro do mesmo ano.


Entretanto, o laboratório foi comprado pela farmacêutica Novartis. Neste momento, o remédio encontra-se ainda a ser avaliado pela Agência Europeia do Medicamento (EMA). Um dos porta-vozes do laboratório divulgou que a comercialização do medicamento poderia acontecer “durante a segunda metade” deste ano.

A atrofia muscular espinhal é uma doença rara, cuja forma mais grave é detetada sobretudo em bebés. É caraterizada por atrofia muscular progressiva, paralisia e perda de força. Em Portugal, a doença afeta 110 pessoas, 80 das quais são crianças. 

O medicamento pode ser a cura da pequena Matilde Sande, de apenas dois meses, que sofre da forma mais grave da doença, o tipo 1. A bebé está internada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. 

No início de junho, os pais da Matilde criaram uma página no Facebook, onde contam a história da bebé, e abriram uma conta solidária em nome dela, para conseguirem angariar donativos para ter acesso ao Zolgensma, que custa cerca de 1,9 milhões de euros. Até agora, a onda de solidariedade fez reunir mais de 1 milhão de euros.



No dia 6 de julho realizar-se-á uma caminhada solidária em Guimarães. A participação custa um euro e os ganhos serão revertidos na totalidade para a conta de Matilde.
Outro medicamento chamado Spinraza

Atualmente, existem dois medicamentos para tratar a doença – o Zolgensma e o Spinraza. Apenas o Spinraza foi aprovado pela Agência Europeia do Medicamento no final de 2016. Foi comercializado na Europa em 2018. 

Portugal foi um dos primeiros países a fornecer este medicamento, inicialmente aos de tipo 1, e de seguida, a todos os tipos, e é comparticipado a 100 por cento pelo Estado. Noutros países, o Spinraza não foi aprovado, como é o caso do Reino Unido, o que deu origem a alguns protestos.

A bebé Matilde tem acesso a este medicamento e começará a tomá-lo em breve.

Porém, acredita-se que o Spinraza trave "apenas" a progressão da doença, enquanto o Zolgensma propõe-se a curá-la. Por outro lado, este tratamento tem de fazer-se ao longo de toda a vida, custando 659 mil euros no primeiro ano de administração, passando depois para os 375 mil. 

O Zolgensma é apenas administrado uma vez, o que representa custos menores a longo prazo, quando comparado com o Spinraza.

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP ouviu os seis lideres partidários sobre temas que escapam aos programas políticos e que contribuem para definir o perfil dos candidatos.

    Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

    Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.