Cardeais portugueses no Vaticano acompanham Papa na visita a Fátima

| País

A chegada ao estádio de Fátima está prevista para as 17h15 de 12 de maio
|

Ao que a RTP apurou, o Papa Francisco convidou os cardeais Saraiva Martins e Manuel Monteiro de Castro para fazerem com ele a peregrinação a Portugal, nos dia 12 e 13 de maio, por ocasião do centenário das aparições.

Natural da Guarda, o cardeal Saraiva Martins, com 85 anos, continua a residir no Vaticano, onde é prefeito emérito da Congregação das Causas dos Santos.

Já Manuel Monteiro de Castro, natural de Guimarães, com 78 anos e ainda com direito de voto no Conclave, é Penitenciário-mor emérito do Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica.

Os dois cardeais vão integrar a comitiva que, segundo o programa oficial revelado esta segunda-feira, chega à base aérea de Monte Real às 16h20 do dia 12 de maio. É aqui que Francisco tem um encontro privado com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.
Percurso em viatura aberta

A chegada ao estádio de Fátima está prevista para as 17h15. O percurso até à Capelinha das Aparições, onde chega às 18h15, é feito em viatura aberta.

Às 21h30 o Papa dirige uma saudação aos peregrinos aquando da bênção das velas.

No dia 13 encontra-se com o primeiro-ministro, António Costa, e depois visita a Basílica de Nossa Senhora de Fátima, onde estão sepultados os pastorinhos.

Segue-se a Missa da Peregrinação internacional aniversária de Maio, às 10h00, com a homilia do Papa.

O almoço é feito com os bispos antes da despedida na base aérea de Monte Real às 14h45 de dia 13.

Tópicos:

Cardeais, Francisco, Fátima, Papa, Portugueses, Visita,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.