Centros de saúde do Pinhal Interior Norte equipados com teleconsultas

| País

A Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) vai iniciar na próxima semana um programa de teleconsultas nos centros de saúde que prestam assistência às populações da zona do Pinhal Interior Norte atingidas pelos incêndios, foi hoje anunciado.

"É já na próxima semana que vai arrancar o programa de teleconsultas nos centros de saúde que prestam assistência às populações mais vulneráveis atingidas pela recente vaga de incêndios na zona do Pinhal Interior Norte", refere a ARSC em nota hoje enviada à agência Lusa.

A ARSC adianta que tem já "totalmente operacional" a telemedicina nos centros de saúde de Alvaiázere, Arganil, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande e Góis.

A telemedicina poderá ser utilizada em diversas especialidades hospitalares, nomeadamente trauma psicogénico, pneumologia e dermatologia, esclarece.

Segundo a nota, as teleconsultas vão funcionar "através de plataformas operacionais que permitem a comunicação/articulação entre os centros de saúde e os hospitais" e podem vir a integrar mais áreas médicas hospitalares para além das referidas.

Para o presidente da ARSC, José Tereso, que tem vindo a inteirar-se, desde sábado, da realidade das populações dos vários concelhos atingidos pelos incêndios, a teleconsulta "é mais um meio colocado à disposição dos profissionais dos cuidados de saúde primários e de doentes que, a partir de agora, vão precisar de um acompanhamento em proximidade, com comodidade, poupando-os a deslocações às unidades hospitalares".

O responsável sublinha que o incremento das teleconsultas e da teleassistência é uma prioridade no plano de ação da ARSC.

Na opinião de José Tereso, segundo o comunicado, o atual momento justifica "plenamente mais uma etapa de alargamento da teleconsulta nos cuidados de saúde primários da região Centro".

Dois grandes incêndios deflagraram no sábado na região Centro, provocando 64 mortos e mais de 200 feridos, tendo obrigado à mobilização de mais de dois milhares de operacionais.

Estes incêndios, que deflagraram nos concelhos de Pedrógão Grande e Góis, consumiram um total de cerca de 50 mil hectares de floresta [o equivalente a 50 mil campos de futebol] e obrigaram à evacuação de dezenas de aldeias.

O fogo que deflagrou em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, alastrou a Figueiró dos Vinhos e a Castanheira de Pera, fazendo 64 mortos e mais de 200 feridos.

As chamas chegaram ainda aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra, mas o fogo foi dado como dominado na quarta-feira à tarde.

O incêndio que teve início no concelho de Góis, no distrito de Coimbra, atingiu também Arganil e Pampilhosa da Serra, sem fazer vítimas mortais. Ficou dominado na manhã de quinta-feira.

Tópicos:

ARSC, Alvaiázere Arganil Castanheira Pera Figueiró Vinhos Pampilhosa, Escalos Fundeiros Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.