Cinco pessoas retiradas de casa em Santa Eugénia, Alijó

| País

|

Cinco pessoas foram retiradas de habitações em Santa Eugénia, onde hoje chegou o incêndio que começou na madrugada de domingo em Alijó, distrito de Vila Real, mas a aldeia "nunca esteve em perigo", disse o comandante operacional.

De acordo com o responsável pelas operações no terreno, Pedro Duarte, "pese embora a situação [do fogo] tenha ocorrido no perímetro da aldeia", ao início da tarde, a povoação "nunca esteve em perigo".

Segundo o comandante operacional, numa "zona mais próxima da frente de fogo, três pessoas foram retiradas de uma habitação que serve de acolhimento a idosos", ao mesmo tempo que, numa outra área, e por uma questão de "prevenção", duas pessoas residentes "numa zona rural foram deslocadas para o centro da aldeia".

O responsável acrescentou que as três pessoas retiradas da residência de acolhimento a idosos foram encaminhadas para o pavilhão municipal de Alijó.

O fogo, que aparentemente estava controlado, aproximou-se da aldeia o que levou à retirada dos idosos do lar.

De acordo com informações disponibilizadas pelas 14h00 na página da Internet da Proteção Civil, o fogo em Alijó, na freguesia de Vila Chã, está a ser combatido por nove meios aéreos, 436 homens e 132 viaturas.

O dispositivo no terreno mantém-se desde o início da manhã, com quatro aviões pesados e dois helicópteros ligeiros, estando previsto o reforço dos meios aéreos com o Canadair espanhol.

Pedro Nunes, adjunto do Comando Nacional da Proteção Civil, afirmou que o incêndio em Alijó permanece ativo com duas frentes em zonas florestais.

No terreno encontram-se cerca de 450 operacionais apoiados por cerca de 140 veículos e oito máquinas de rasto e pelotões do exército.
Exército reforça com 250 militares apoio a vigilância e rescaldo
Exército reforçou hoje com mais 250 militares o apoio à proteção civil em ações de vigilância e rescaldo nos incêndios nas regiões de Mangualde, Alijó e Mirandela, anunciou hoje o Estado-Maior das Forças Armadas (EMGFA).

Em comunicado, o EMGFA referiu que foram hoje mobilizados "dez pelotões do Exército, com cerca de 250 militares e dezenas de viaturas, e quatro máquinas de rasto", no apoio a "ações de vigilância e rescaldo nos incêndios que têm fustigado o continente nas últimas horas".

Cinco pelotões e quatro máquinas de rasto foram enviados para a região de Alijó, três para a região de Mangualde e duas para Mirandela, acrescentou.

Na quinta-feira passada tinham sido mobilizados 200 militares para ações de patrulhamento e vigilância florestal nas zonas de maior índice de risco de incêndios, em dez distritos do país.
Centenas de bombeiros combatem chamas em Mangualde
Em Mangualde, uma das três frentes de fogo continua ativa na localidade de Póvoa de Cervães.

No terreno estão seis meios aéreos e mais de 200 operacionais.
Proteção Civil confirma falhas na rede SIRESP em Alijó
A Proteção Civil confirma que existiram falhas na rede SIRESP durante o incêndio em Alijó.

Ainda assim, a ANPC garante que a comunicação entre os operacionais nunca esteve em causa, porque foram usadas redes complementares.

C/Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A deriva independentista do nacionalismo catalão está a revelar-se mais grave do que Madrid previa inicialmente. Temos posições que não permitem qualquer margem para diálogo e que conduziram o processo a um impasse.

    Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.

    A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.