Corpos das vítimas portuguesas entregues à família

| País

|

Depois de realizadas as autópsias, os corpos das duas portuguesas vítimas dos atentado em Barcelona já foram entregues à família.

Os corpos das duas vítimas portuguesas no atentado terrorista nas Las Ramblas em Barcelona, foram entregues à família.

Os corpos deverão chegar segunda-feira a Lisboa, a bordo de um avião da Força Aérea Portuguesa.

“Apelei ao Ministério da Defesa no sentido de disponibilizar um avião da Força Aérea, que na segunda-feira, se tudo correr como previsto, possa transportar os corpos para Portugal”.


José Luís Carneiro, que chegou este sábado a Lisboa vindo de Barcelona, revelou que “falta apenas um documento, uma certidão de óbito, que só na segunda-feira poderá ser preparado”. 

Os corpos das duas portuguesas, que serão trasladados para Lisboa, seguindo depois para o município de Sintra, os documentos mais importantes estão já emitidos, realçou o secretário de Estado, que referiu que a Câmara de Sintra "também disponibilizou os seus serviços sociais para apoiar a família e os amigos, em caso de necessidade".

José Luís Carneiro disse que às 12h00 de hoje estavam ainda por identificar cinco corpos.

"No diálogo que tive com o secretário das Relações Exteriores do Governo catalão, foi-nos dito que ainda havia cinco vítimas mortais por identificar, e que em relação aos feridos, embora tenha sido feita uma triagem que foi várias vezes verificada, nas unidades hospitalares, não seria de excluir, que eventualmente pudesse aparecer mais algum ferido, mas até ao momento não havia registo de qualquer português, entre esses feridos", declarou José Luís Carneiro.

O governo da Catalunha vai suportar as despesas com a trasladação dos corpos das vítimas portuguesas. A avó de 74 anos e a neta de 20.

Tópicos:

Barcelona, corpos, Portuguesas,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.