Costa discursa quarta-feira perante Assembleia Geral da ONU e reúne-se com Guterres

| País

O primeiro-ministro vai discursar na quarta-feira, em Nova Iorque, na 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas, dia em que também tem agendada uma reunião logo ao início da manhã com o secretário-geral da organização, António Guterres.

Fonte oficial do Governo disse que António Costa parte na segunda-feira ao fim da manhã para Nova Iorque, onde estará três dias, sendo acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Na terça-feira, o primeiro-ministro estará na sessão de abertura da 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas e num almoço oferecido pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a todos os chefes de Estado e de Governo presentes em Nova Iorque.

Na quarta-feira, António Costa é recebido por António Guterres logo ao início da manhã e deverá discursar perante a 72ª Assembleia da Geral da ONU pelas 12:15 locais (mais cinco horas em Lisboa).

Na qualidade de primeiro-ministro, António Costa já esteve em Nova Iorque em dezembro passado, deslocação em que esteve acompanhado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para estar presente na cerimónia de juramento do antigo chefe do Governo português (1995/2002) como secretário-geral das Nações Unidas.

Nessa altura, o primeiro-ministro considerou que a eleição de António Guterres representava em primeiro lugar responsabilidades acrescidas ao nível da política externa nacional.

"Portugal tem o dever de estar na primeira linha do respeito e defesa dos valores da paz, da segurança, dos direitos humanos, do desenvolvimento sustentável e da igualdade de género, ajudando António Guterres a cumprir este mandato no quadro das Nações Unidas", disse.

Interrogado sobre os desafios que se colocam a António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas, Costa respondeu: "Maiores os desafios, maiores se revelam os homens".

Tópicos:

Guterres, Iorque, ONU,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.