Curso superior reproduz desigualdades sociais

| País

Medicina e engenharias registam o menor número de bolseiros
|

Um estudo da Fundação Belmiro de Azevedo mostra que os alunos das classes mais favorecidas estão em cursos de maior prestígio e com notas de acesso mais altas, como Medicina, Direito e Engenharias. Os alunos com maiores dificuldades inscrevem-se sobretudo nos politécnicos.

O estudo, revelado esta quarta-feira pelo Jornal de Notícias e pelo Público, mostra que as desigualdades continuam a dominar a escolha do curso e do estabelecimento de ensino.

O documento, A Equidade no Acesso ao Ensino Superior, analisa dois indicadores: as qualificações dos pais e mães dos estudantes e a percentagem de alunos que recebem bolsas de ação social – que são, em norma, os mais desfavorecidos - em cada curso.

O estudo mostra que os alunos mais pobres não conseguem entrar nos cursos que exigem notas mais altas e estudam, na maioria dos casos, nos institutos politécnicos.

A área da Saúde serve de exemplo claro da seletividade socioeconómica no acesso aos cursos. 73,2 por cento dos estudantes de Medicina são filhos de pais e mães que concluíram o ensino superior, ao passo que 73 por cento dos de enfermagem – sobretudo nos politécnicos – são filhos de pais com qualificações inferiores – ensino secundário ou menos.

Numa outra leitura nesta área – o número de bolseiros de ação social em cada curso superior – permite confirmar esta perceção. Apenas 15 por cento dos estudantes inscritos em Medicina vêm de agregados familiares mais pobres. Em sentido inverso, 40,4 por cento dos alunos de Enfermagem recebem apoio do Estado para estudar.

O estudo do Edulog conclui que os cursos do sistema universitários são ocupados com alunos de origens socioeconómicas mais privilegiadas. Nas universidades, apenas 28,1 por cento são bolseiros. Nos politécnicos, esse valor é superior em quase dez pontos percentuais (37,4 por cento). Quanto menor for o peso dos bolseiros no total de estudantes, mais "elitista" é a instituição de Ensino Superior. E, conclui o estudo, há uma sobrerepresentação dos alunos de originários de famílias com formação superior.

Os estudantes oriundos de famílias com menor formação dominam os cursos de Educação e Ciências Empresariais. Os estudantes de famílias com níveis de escolaridade mais altos optam pelas universidades em detrimento dos politécnicos e dominam os cursos de Medicina e Engenharias. Nestes dois cursos, o número de bolseiros é, por norma, baixo.

O relatório da fundação conclui que a expansão do ensino superior não conseguiu diminuir as desigualdades de acesso entre os estudantes de diferentes níveis socioeconómicos.

Tópicos:

Fundação Belmiro de Azevedo, acesso, desigualdades sociais, Ensino Superior,

A informação mais vista

+ Em Foco

Apesar de terem passado pouco mais de 24 horas desde a partida de Cabo Canaveral, no espaço os minutos para Neil, Edwin e Michael parecem horas.

    Ouvido pela RTP, o artista chinês mostra-se convicto de que Hong Kong e Macau não serão, no futuro, controlados pela China.

    Começa a legislatura do Parlamento Europeu saído das últimas eleições. Conheça aqui os eurodeputados portugueses e as suas prioridades.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.