Dano colateral da Covid-19. Quase mil cancros por diagnosticar

por RTP
Milhares de exames terão ficado por fazer por causa da Covid-19 Reuters

O alerta partiu da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC), que apontas "falhas na operacionalização" dos cuidados de saúde. Cerca de mil cancros da mama, do colo do útero e colorretal não foram diagnosticados nos últimos oito meses por causa da Covid-19.

O presidente da LPCC diz que os rastreios do cancro da mama baixaram substancialmente por causa da pandemia e os do colo do útero e colorretal "estão praticamente parados". 

Vítor Rodrigues diz que por causa da situação de combate à Covid-19 há "falhas na operacionalização" dos cuidados de saúde, em particular com as consultas nos centros de saúde a não serem feitas na presença de um médico. Esta é, muitas vezes, a primeira referenciação da doença com a prescrição de um exame de diagnóstico perante um sintoma suspeito e após a observação do utente.
Antena 1  

"Se o diagnóstico está a falhar, porque não há requisição de exames, vai haver impacto a prazo",
disse, ao recordar que o cancro é tanto mais tratável quanto mais precocemente for diagnosticado.

Em comunicado hoje divulgado, a LPCC avisa que "o combate ao cancro deve ser uma prioridade contínua, que não pode ficar em segundo plano face à pandemia da covid-19".

"Não estão a resolver-se problemas concretos, depois acumulam-se todos", ironizou Vítor Rodrigues. Não havendo a capacidade de resposta a 100 por cento, que se faça pelo menos o máximo possível, acrescentou. Ou seja, não sendo possível rastrear num dia 100 pessoas, rastreiam-se 50 e se as consultas médicas não podem ser dadas num centro de saúde, porque está fechado devido a um surto, deve ser providenciado um espaço alternativo, como um pavilhão municipal.

A pandemia da covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 41,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.245 pessoas dos 109.541 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

c/ Lusa
Tópicos
pub