Demolições na Ilha do Farol já começaram e sem protestos

| País
Demolições na Ilha do Farol já começaram e sem protestos

A ver: Demolições na Ilha do Farol já começaram e sem protestos

Começam hoje as primeiras demolições na ilha do farol, no Algarve. As demolições das habitações identificadas durante o mes de fevereiro estão marcadas para o inicio desta manhã.

É uma intervenção da Sociedade Polis Litoral Ria Formosa, criada em 2008. O objetivo é requalificar e valorizar a orla costeira na ria Formosa.

Abrange uma área que vai de Vale do Lobo, no concelho de Loulé, e Vila Real de Santo António.

O reporter da RTP, Duarte Baltazar, está no local a acompanhar os trabalhos.

De acordo com a agência Lusa, o processo de demolição de 23 construções ilegais na ilha do Farol deverá demorar cerca de uma semana.

O presidente da Sociedade Polis Ria Formosa, José Pacheco, das 36 construções previstas para demolição apenas 23 foram consignadas ao empreiteiro.

outras 13 estão protegidas por providências cautelares, interpostas antes e já depois das posses administrativas, efetuadas no final de fevereiro.

"Durante o dia de hoje vai haver a montagem do estaleiro e vão ser salvaguardadas as questões ambientais, com a retirada das telhas de amianto", explicou José Pacheco.

Depois das demolições terá de se fazer a reposição das condições naturais dos locais onde estavam as construções e que inclui a recolha de detritos.

De acordo com o presidente da Polis, até ao dia 20 de maio "tem que estar tudo arranjado", ou seja, antes do início da época balnear.

Segundo disse à Lusa o comandante da Zona Marítima do Sul, Nuno Cortes Lopes, a Polícia Marítima está a prestar apoio policial à operação com 80 efetivos no terreno.

"Vamos ter um perímetro exterior, numa zona mais afastada das construções, com 40 polícias e perímetros interiores também com 40 [agentes], nos locais mais próximos das habitações", referiu Cortes Lopes.

C/Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.