Derrocada na falésia da Praia da Ursa

| País

|

Uma pessoa morreu na sequência de uma derrocada na praia da Ursa, em Sintra. Uma outra mulher ficou ferida com gravidade. Ambos estariam a acampar na praia da altura em que se desprenderam algumas rochas da arriba.

A vítima mortal é um cidadão de nacionalidade brasileira, de cerca de 40 anos. Para o local foi acionado um helicóptero da Força Aérea, que retirou da praia de difícil acesso uma mulher ferida, de nacionalidade alemã. A vítima, de 40, foi transportada para o Hospital de S. José e está estável apesar de apresentar vários traumatismos.

O grupo, no total de cinco pessoas, estavam a acampar na praia, "numa zona de imenso perigo", no sopé de uma arriba de cerca de 150 metros, como relata o comandante da capitania do Porto de Cascais, em declarações aos jornalistas. Os restantes três elementos do grupo, que não ficaram feridos, saíram do local pelo próprio pé.


O comandante revelou que deveria estar uma placa de perigo na praia da Ursa, mas admitiu que ela foi vandalizada. No entanto, refere que entre esta praia e o cabo da Roca, há cerca de uma dezena de placas a sinalizar o perigo de queda de arribas.

Os técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente estão agora a proceder a uma avaliação da praia, para avaliar da necessidade de interditar ou não o areal.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.