Docente do Porto leva aos EUA tecnologias para monitorizar sinais vitais em bombeiros

| País

Um professor do Porto vai apresentar hoje, numa conferência das Nações Unidas na sede da Google, nos EUA, duas soluções tecnológicas para monitorizar os sinais vitais de paramédicos e bombeiros em situações de conflitos e desastres naturais.

João Paulo Cunha, coordenador do Centro de Engenharia Biomédica do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), será o único português a participar na conferência organizada pelo gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, refere em comunicado aquele instituto.

As soluções tecnológicas desenvolvidas no INESC TEC a serem apresentadas pelo professor são "sensores vestíveis [wearables]" que permitem averiguar, por exemplo, a função cardíaca (através de eletrocardiograma -- ECG), a respiração e a temperatura do corpo, de forma a verificar os índices de fadiga, os níveis de `stress`, a exposição ao calor e a gases nocivos (como o monóxido de carbono), explica.

Para além dos sinais vitais, a tecnologia desenvolvida, integrada em sistemas de comunicação de emergência, de informação de alarmes e de gestão de eventos críticos, pode ser utilizada para verificar o posicionamento desses "profissionais de primeira linha", explicou à Lusa João Paulo Cunha, também docente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

A conferência, que tem como tema "Capacitar Pessoas Afetadas" ("Empowering Affected People"), decorre entre hoje e quarta-feira na sede da Google (EUA) e tem como objetivo "assegurar que indivíduos ou comunidades afetadas por conflitos ou desastres naturais tenham voz direta em projetos e programas lançados para o seu benefício", indica a nota informativa.

"As mudanças tecnológicas têm tido um grande efeito nas operações humanitárias" e se, "antigamente", "as organizações limitavam o uso de tecnologia a rádios e telefones", hoje em dia "são utilizados sistemas de satélite, drones, `smartphones` e computadores" para "recolher, partilhar e analisar informação", refere comunicado do INESC TEC.

Segundo a nota do Instituto, estima-se que em 2020 as subscrições de dispositivos móveis ultrapassem o número de população global e que mais de metade da população mundial tenha acesso rápido à Internet, tendo as organizações humanitárias que estar aptas para potenciar a tecnologia, de modo a responder de forma mais efetiva e eficiente aos desastres naturais ou conflitos que possam ocorrer.

A conferência conta com a presença de 175 representantes de empresas tecnológicas, agências humanitárias, academias, universidades e entidades governamentais, de vários países.

Durante a iniciativa haverá várias sessões dedicadas a temas relacionados com pagamentos digitais, comunicações com comunidades afetadas, recolha e privacidade de dados, visualização e análise, identificação digital, entre outros tópicos.

Para João Paulo Cunha, esta será uma ótima oportunidade para se perceber melhor o que está a acontecer a nível mundial na área das "Tecnologias para Alívio Humanitário e de Desastres" ("Humanitarian and Disaster Relief Technology").

 

 

Tópicos:

Desastres Humanitarian, Google,

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP agrupa as sondagens disponíveis e traça as tendências do eleitorado para a derradeira votação da eleição presidencial francesa.

    Em entrevista à RTP, o embaixador francês aborda o terrorismo, os populismos, os emigrantes e o interesse em Portugal.

      A Associação Adeptos dos Sonhos canalizava 90% do dinheiro recolhido em ações de caridade para uma empresa do namorado da presidente.

      Em entrevista à RTP, o Bispo de Leiria-Fátima diz acreditar que o Papa, em Fátima, vai sentir-se como um "peregrino no meio dos peregrinos.