Dragagem no Sado começa em novembro apenas com uma draga

| País
Dragagem no Sado começa em novembro apenas com uma draga

Foto: Steve Crisp - Reuters

Vão começar em meados de novembro ‘as polemicas’ dragagens no Rio Sado. Uma obra que visa aprofundar o canal de navegação para permitir a entrada de navios de grande porte.

Em entrevista ao Portugal em Direto da Antena 1, Lídia Sequeira, presidente da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, esclarece que os trabalhos vão ser feitos por uma única draga.

Equipamento esse, refere Lídia Sequeira, moderno e mais silencioso, tendo como preocupação reduzir os impactos junto dos golfinhos.

A presidente do Porto de Setúbal refere também que vão ser retirados cerca de três milhões e meio de metros cúbicos de areia, cerca de metade dos valores que associações ambientalistas têm avançado.

A responsável recusa qualquer ligação entre as dragagens e a perda de areia das praias da Arrábida e anuncia um estudo sobre esse movimento das correntes marítimas.

Nesta entrevista, Lídia Sequeira recusa criticas sobre a toxicidade das areias no fundo do Rio Sado e diz que, nas amostras analisadas, não é verdade que esses sedimentos sejam tão perigosos como os ambientalistas dizem.

Quanto à necessidade destas obras, a presidente do Porto de Setúbal explica que as mesmas vão permitir um melhor acesso à barra, bem como o melhor cruzamento de navios, modernizando-o sob o risco de ‘ficar para trás’ [face a outros portos] caso não se realizassem as obras.

Em conversa com a jornalista Arlinda Brandão, a presidente das zonas portuárias de Setúbal e Sesimbra, refere que apesar das dragagens o rio Sado não vai ter as mesmas condições de navegabilidade do Porto de Sines, mas será para receber navios de média dimensão, dotando-o das mesmas condições do Porto de Lisboa e Leixões. Onde também vai ser possível receber navios de Cruzeiro.

Quanto às mais valias económicas, a estimativa da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, com base num estudo de viabilidade económico-financeira aponta para três mil postos de trabalho diretos em logística, associados à atividade portuária e 30 mil indiretos nos próximos 20 anos.

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevistada no Telejornal, a ministra da Saúde admitiu que reunir o consenso do PSD "não foi algo que tenha passado pelas preocupações do Governo".

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.