Explosão de Lamego fez cinco mortos e três desaparecidos

| País

A explosão provocou um vasto lastro de destruição e fez, pelo menos, cinco mortos
|

O número de vítimas na sequência das explosões ocorridas ao final da tarde de terça-feira numa fábrica de pirotecnia de Avões, Lamego, subiu para cinco, segundo a última informação do secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.

No local da explosão, em Avões, o secretário de Estado da Administração Interna confirmou que ainda que há três pessoas desaparecidas.

A explosão ocorreu cerca das 17h50 e deixou destruída uma fábrica de pirotecnia a cerca de três quilómetros de Lamego.

"Por razões de segurança dos operacionais, não se pode proceder nem à identificação dos corpos, nem proceder a qualquer movimento no local do acidente", acrescentou o governante.


De acordo com o governante, serão dadas novas informações no local durante a manhã, seguindo-se nova atualização ao início da tarde.

Haverá entretanto lugar a "todo o trabalho de pesquisa, procura e levantamento para perceber o que aconteceu e porque aconteceu, bem como da identificação dos corpos que estão encontrados".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou solidariedade para com as famílias das vítimas e estará no local, previsivelmente ao final da manhã.

A maior parte das vítimas pertence à família proprietária da empresa de pirotecnia.

Este foi o mais grave acidente em fábricas de pirotecnia na última década e só esta empresa de Avões registou três acidentes graves em 30 anos.

O presidente da Associação de Estudos e Engenharia de Explosivos, José Carlos Góis, falou à Antena 1 de formação, fiscalização e licenciamento da atividade e das lacunas inerentes a toda a atividade.

A lei foi alterada há 17 anos, mas só reforçou alguns aspetos de segurança, deixando de fora as questões da formação.

O primeiro-ministro, António Costa, ausente do país, já enviou mensagens de condolências aos familiares e amigos das vítimas.

Tópicos:

Administração Interna, Avões, Explosão, Fábrica, Lamego, Pirotecnia, Secretário de Estado,

A informação mais vista

+ Em Foco

É impossível passar ao lado de um marco temporal como o dos 100 dias, alvo de tantas avaliações e balanços por parte da imprensa.

    Em entrevista à Antena 1, o Presidente da República diz que o crescimento da economia é o que mais o preocupa agora.

    A RTP agrupa as sondagens disponíveis e traça as tendências do eleitorado para a derradeira votação da eleição presidencial francesa.

      A Associação Adeptos dos Sonhos canalizava 90% do dinheiro recolhido em ações de caridade para uma empresa do namorado da presidente.