Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

| País
Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

A ver: Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

Portugal não atravessava uma seca tão severa desde 1971. A agravar o problema estão barragens e furos ilegais que diminuem a disponibilidade de água em tempo de escassez.

Em Portugal existem oito mil barragens identificadas mas muitas não têm sequer autorização.

A realidade dos furos subterrâneos é ainda mais difícil de quantificar. Só nos últimos quatro meses, foram autorizados quase três mil e 500.

A lei exige que todos os furos sejam alvo de um pedido de autorização à Agência Portuguesa do Ambiente mas a maioria não é sequer comunicada.

O Sexta às 9 mostra-lhe duas barragens que têm ordem de demolição por estarem ilegais.

Ficam na herdade de Canelas que pertence ao administrador do Banco Bic, Fernando Teles.

Estão há mais de um ano a retirar água à barragem pública de Pego do Altar no Alentejo que está, neste momento, a cinco por cento da sua capacidade.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.