Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

| País
Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

A ver: Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

Portugal não atravessava uma seca tão severa desde 1971. A agravar o problema estão barragens e furos ilegais que diminuem a disponibilidade de água em tempo de escassez.

Em Portugal existem oito mil barragens identificadas mas muitas não têm sequer autorização.

A realidade dos furos subterrâneos é ainda mais difícil de quantificar. Só nos últimos quatro meses, foram autorizados quase três mil e 500.

A lei exige que todos os furos sejam alvo de um pedido de autorização à Agência Portuguesa do Ambiente mas a maioria não é sequer comunicada.

O Sexta às 9 mostra-lhe duas barragens que têm ordem de demolição por estarem ilegais.

Ficam na herdade de Canelas que pertence ao administrador do Banco Bic, Fernando Teles.

Estão há mais de um ano a retirar água à barragem pública de Pego do Altar no Alentejo que está, neste momento, a cinco por cento da sua capacidade.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.