Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

| País
Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

A ver: Furos e barragens ilegais põem em risco armazenamento público de água

Portugal não atravessava uma seca tão severa desde 1971. A agravar o problema estão barragens e furos ilegais que diminuem a disponibilidade de água em tempo de escassez.

Em Portugal existem oito mil barragens identificadas mas muitas não têm sequer autorização.

A realidade dos furos subterrâneos é ainda mais difícil de quantificar. Só nos últimos quatro meses, foram autorizados quase três mil e 500.

A lei exige que todos os furos sejam alvo de um pedido de autorização à Agência Portuguesa do Ambiente mas a maioria não é sequer comunicada.

O Sexta às 9 mostra-lhe duas barragens que têm ordem de demolição por estarem ilegais.

Ficam na herdade de Canelas que pertence ao administrador do Banco Bic, Fernando Teles.

Estão há mais de um ano a retirar água à barragem pública de Pego do Altar no Alentejo que está, neste momento, a cinco por cento da sua capacidade.

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.