Governo prolonga "período crítico de incêndios" até 31 de outubro

| País

|

O Governo anunciou esta sexta-feira que decidiu prorrogar o período crítico de incêndios até ao fim do mês de outubro. Este é já o segundo prolongamento, uma vez que o Executivo tinha inicialmente estendido este período crítico até 15 de outubro. Durante o período crítico é proibido fumar ou fazer lume nos espaços florestais ou agrícolas.

A decisão do Executivo é justificada pelo facto de a precipitação prevista poder “não ter expressão na alteração de índice de severidade meteorológico acumulado”. Por isso, o Governo prevê que se mantenha um “elevado estado de secura dos combustíveis”. Este prolongamento não está relacionado com o aumento dos meios de combate a incêndios florestais. A fase Charlie, que conta com mais meios de combate aos fogos, terminou a 30 de setembro.


Segundo o despacho do Governo, a quantidade de água disponível no solo será “presumivelmente insuficiente para aumentar o teor de humidade” que possa contrariar possíveis ignições e incêndios rurais.

A nota divulgada pelo Ministério da Agricultura adianta ainda que o número de incêndios por cada dia nesta altura do ano “se encontra acima da média dos últimos anos para este período”, o que justifica, na perspetiva do Governo, a continuidade das medidas e das ações especiais de prevenção.

O despacho do Executivo assinala que o período crítico de incêndios prevê a proibição de fumar, fazer lume ou fogueiras nos espaços agrícolas e florestais, bem como fazer queimas ou queimadas, lançar foguetes e balões de mecha acesa.

Durante este período, é também proibido fumigar ou desinfestar apiários, salvo se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas, ou fazer circular tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintor, sistema de retenção de faúlhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.

Tópicos:

Governo, Portugal, Incêndios,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.