Grupo Luz Saúde abandona acordo com ADSE

| País

O grupo lamenta ter sido forçado a tomar uma decisão que vai afetar a vida de mais de 250 mil clientes
|

A comissão executiva do Grupo Luz Saúde anunciou esta terça-feira aos colaboradores o fim das convenções com a ADSE a partir do dia 15 de abril. A decisão da comissão liderada por Isabel Vaz foi comunicada no mesmo dia em que também a rede CUF formalizou a suspensão do acordo com a ADSE.

Em comunicado, o Grupo Luz Saúde avançou que, apesar de todos os esforços no sentido de o evitar, os hospitais e clínicas da rede Hospital da Luz se veem obrigados a deixar de prestar os serviços ao abrigo das convenções celebradas com a ADSE.

O grupo lamenta profundamente ter sido forçado a tomar uma decisão que vai afetar a vida de mais de 250 mil clientes beneficiários deste subsistema, mas garante que “não existe outra alternativa”.

“Os elevados padrões de qualidade e de segurança de que os Hospitais e Clínicas da Rede Hospital da Luz não prescindem no tratamento dos seus clientes são incompatíveis com os termos em que a ADSE pretende aplicar as convenções”, assegura o grupo.

A rede hospitalar justifica também a decisão com a não aplicação retroativa de regras de regularização de faturação, que considera "manifestamente ilegais".

As marcações dos pacientes que sejam agendadas depois de 15 de abril deixarão, assim, de ser abrangidas pelo regime da ADSE, “podendo ser realizadas em regime de reembolso”, informa o grupo.

As consultas que tenham já sido marcadas para depois dessa data, assim como o acompanhamento a grávidas, os tratamentos oncológicos e os cuidados de internamento que tenham sido iniciados em data anterior a 15 de abril continuarão a ser prestados ao abrigo da ADSE.

“O futuro dar-nos-á razão e estamos seguros que os beneficiários da ADSE saberão julgar quem sempre esteve do seu lado”, lê-se no comunicado.

A Rede Hospital da Luz integra 14 hospitais, 13 clínicas ambulatórias e um centro clínico digital, dedicando-se a cuidados de saúde primários, serviços de urgência e materno-infantis, consultas externas e uma série de diferentes especialidades.

A informação mais vista

+ Em Foco

O maior campo de refugiados na Europa fica na ilha grega de Lesbos. O campo de Moria alberga quase oito mil pessoas, três vezes mais do que a capacidade instalada. Reportagem RTP.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.