Limpeza dos terrenos. Ministro da Agricultura mantém prazo mas garante que multas não são objetivo

| País

|

Os proprietários têm até quinta-feira para limpar as matas junto ao património edificado. A partir dessa data, arriscam-se a pagar multas que podem chegar aos 120 mil euros. Em entrevista à Antena 1, o ministro da Agricultura considerou que o prazo não é a questão fundamental e mostrou-se convicto que as autoridades serão sensatas na hora de multar.

“A questão dos prazos não é a questão principal. A questão principal é que todos temos de limpar o mais possível até 31 de maio”, afirmou Capoulas Santos em entrevista à Antena 1. A data de 31 de maio é o prazo final dado às autarquias para limpar os terrenos que não tenham sido tratados pelos proprietários.

O governante justifica este prazo com o facto de, a partir de junho, os próprios trabalhos de limpeza representarem um risco. Para os proprietários, o prazo é 15 de março.


“Tipificou-se que os proprietários tinham de limpar até uma determinada data para que, aqueles que o não fizessem, as Câmaras pudessem saber quem eram e substituírem-nos, exigindo depois a compensação financeira pela despesa”, explicou em entrevista à rádio pública.

Na entrevista ao jornalista Alexandre David, Capoulas Santos afirmou que o prazo se mantém mas mostrou-se convicto que a Guarda Nacional Republicana será sensata na hora de multar.

“Se um proprietário for intimado por um guarda republicano no dia 16 ou 17 e explique que não pode limpar porque choveu muito ou porque contratou a empresa e ela só pode vir na próxima semana, tenho a certeza que ninguém irá ser multado por causa disso”, afirmou.
"Todos temos a obrigação"
Na entrevista à rádio pública, o ministro da Agricultura tentou ainda desconstruir a ideia de que a partir de dia 16 de março a responsabilidade é inteiramente das autarquias.

“Todos temos a obrigação de limpar até 31 de maio. A diferença é que os proprietários que não o fizerem até 15 de março estão sujeitos a uma coima”, clarificou, mostrando-se uma vez mais convicto que as autoridades serão sensatas na hora de multar. “Não há aqui nenhuma intenção do Governo de buscar a multa”, garantiu.

Capoulas Santos rejeitou a ideia de que se está a tentar fazer muito em pouco tempo e recordou a tragédia que assolou Portugal no último ano, com os fogos de junho e outubro a provocarem mais de uma centena de mortos.

“Temos de levar o esforço de prevenção tão longe quanto possível. Nesse sentido foram identificadas aquelas que parecem ser as principais prioridades: limpar à volta das casas, aldeias, estradas e criar espaços de interrupção da mata que, em caso de incêndio, impeçam que o incêndio se propague com uma intensidade tão avassaladora”, insistiu.

Questionado sobre o andamento do processo de limpeza em curso, Capoulas Santos explicou não ter dados mas disse ter a perceção de que há uma “grande mobilização da sociedade”.

Tópicos:

, Antena 1, Capoulas Santos, Ministro da Agricultura, agricultura, fogo, incêndios, limpeza, matas,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.