Limpeza florestal está difícil em Arganil

| País
Limpeza florestal está difícil em Arganil

Foto: José Manuel Ribeiro - Reuters

A Câmara de Arganil considera difícil cumprir o prazo para a limpeza florestal. A lei determina que até quinta-feira os proprietários devem limpar as áreas envolventes a casas isoladas, aldeias e estradas.

Depois dessa data são as autarquias que se substituem aos proprietários que não tenham feito a limpeza e obrigadas a garantir todos os trabalhos de gestão de combustível até ao dia 31 de maio.

Sem o incêndio de outubro o município teria de garantir a limpeza de quatro mil hectares o que nas contas do município seria impensável porque não há recursos humanos nem financeiros.

O presidente da autarquia, Luís Paulo Costa, admite que face ao incêndio apenas será necessário garantir a limpeza de 800 hectares o que levanta mesmo assim muitas dificuldades.

O autarca considera a lei em muitos aspetos desequilibrada e lembra que a lei obriga a uma limpeza nas estradas a 10 metros para cada lado na horizontal o que a ser cumprido traria diversos problemas no concelho.

Em zonas de montanha as árvores são essenciais para a fixação dos solos e funcionam como uma espécie de “rails” de proteção naturais, além de ter impacto negativo no turismo.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.