Linha SNS24 vai ser reforçada com mais recursos e soluções de encaminhamento

por RTP
SNS.gov.pt

A procura da linha SNS24 tem-se vindo a intensificar nos últimos dias e este crescimento não mostra sinais de abrandamento, a acompanhar a evolução do contexto pandémico. Um cenário que obriga à tomada de medidas para mitigar a dificuldade de acesso ao serviço.

As autoridades de saúde reconhecem uma elevada pressão na linha. Um comunicado dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde revela que, em colaboração com a DGS e o operador Altice Portugal, vão ser adoptadas novas medidas, como a abertura de novos call centers e reforço dos recursos humanos disponíveis.

Em Coimbra, o call center, que abriu na passada semana, vai ver reforçado o número operadores de 100 até ao final desta semana para 250 até ao final de janeiro.

Beja também vai ter um call center “até à primeira semana de janeiro, lê-se no comunicado enviado pelo Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

Vai ainda ser dada formação e contratados novos profissionais. Atualmente a Linha SNS24 conta com cinco mil profissionais “maioritariamente enfermeiros, mas também psicólogos, farmacêuticos, médicos-dentistas, administrativos, intérpretes de Língua Gestual Portuguesa e estudantes de medicina do sexto ano”

“Até ao final da segunda semana de janeiro serão mais cerca de 750 (subida de cerca de 15 por cento)”

Para otimizar o atendimento da linha, vai haver uma “diversificação das categorias dos profissionais e das respetivas tarefas”

A autoridade de Saúde revela ainda que vai proceder à revisão de alguns algoritmos para elevar a sua eficiência.

“Adoção melhorada e alargada de soluções de atendimento automatizado, nomeadamente as entradas na linha a integração de novas modalidades de encaminhamento para as seguintes pessoas: utentes que são considerados contactos de alto risco com um doente com Covid-19, como os coabitantes e considerados contactos de baixo risco".

E também aos “utentes que não são considerados contactos de risco e aos com teste PCR, TRAG ou autoteste positivo e ainda a que tenha teste serológico positivo”.

“Contamos ter nos próximos dias uma elevação da pressão sobre a linha, pelo que continuaremos a adotar todas as medidas que se venham a revelar necessárias para salvaguardar a qualidade do serviço”, remata o comunicado.
Tópicos
pub