Marcelo avalia mensagem de Natal de Costa como "muito boa"

| País

|

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje "muito boa" a mensagem de Natal que o primeiro-ministro dirigiu aos portugueses, sublinhando que falou do que se fez de bom, mas também dos problemas e tragédias. Marcelo Rebelo de Sousa concorda com a prioridade atribuída ao emprego.

"Eu achei uma mensagem muito boa", disse Marcelo Rebelo de Sousa, após questionado pelos jornalistas ao início de um jantar promovido pela organização "Refood", que recolhe alimentos cedidos por restaurantes, lojas e outras instituições para as distribuir pelos mais carenciados.

O Presidente da República sublinhou que António Costa "falou realmente daquilo que se fez de bom e do muito bom que os portugueses fizeram este ano, mas também dos problemas, das tragédias".

"E disse-o de forma muito clara e direta, assumindo uma coisa e outra como todos nós assumimos", disse o chefe do Estado.

Questionado sobre a prioridade ao emprego que o primeiro-ministro identificou para 2018, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "o crescimento só faz sentido se houver emprego" o que significa "emprego melhor e mais estável, menos precário".

"Espera-se isso", acrescentou o Presidente da República, afirmando ainda esperar que o crescimento possa fazer diminuir a pobreza e as desigualdades que há em Portugal".

Em 2016 e 2017, o chefe de Estado definiu a estabilização do sistema financeiro e o crescimento económico, respetivamente, como desígnios nacionais. Questionado sobre a prioridade do próximo ano, o chefe de Estado pede que se espere pela sua mensagem de ano novo.

Questionado sobre as alterações aprovadas pelos deputados à lei de financiamento dos partidos, Marcelo Rebelo de Sousa confirmou que já recebeu o diploma mas explicou que ainda não o estudou devidamente.

c/Lusa

 

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.