Ministério Público pede pena de prisão de 25 anos para Pedro Dias

| País

|

O Ministério Público considera que Pedro Dias deve ser condenado a pena máxima pelo homicídio de um casal e de um militar da GNR e ainda pelo homicídio de um militar na forma tentada.

Pedro Dias é acusado de três crimes de homicídio qualificado sob a forma consumada, três crimes de sequestro, e ainda crimes de roubo de automóveis e de armas da GNR, e de uso e porte de armas proibidas. Os crimes remontam a 11 de outubro de 2016.

O julgamento do homicida de Aguiar da Beira foi retomado esta quinta-feira no Tribunal da Guarda. Na fase final do julgamento, Pedro Dias quebrou o silêncio e admitiu, por exemplo, ter matado o militar da GNR Carlos Caetano, de 29 anos. Garantiu no entanto que só disparou sobre os militares da Guarda porque agiu em legítima defesa.

Nas declarações desta quinta-feira, Pedro Dias acusou ainda o militar da GNR António Ferreira de ter atingido a tiro Luís e Liliane Pinto, o casal que viria a morrer.

Perante vários familiares das três vítimas que é acusado de ter matado, Pedro Dias confessou que as suas declarações poderiam ser confusas e que poderia perder o racioncínio devido à situação de isolamento na prisão.

Explicou que na noite dos acontecimentos, parou a carrinha que conduzia junto a um hotel em construção nas Caldas da Cavaca por estar cansado e com sono, evitando fazer uma paragem junto à povoação.

Na versão do acusado, adormeceu e foi acordado algumas horas depois por dois militares da GNR, que lhe apontaram a lanterna "à cara". Os militares consideraram suspeito que Pedro Dias se encontrasse parado num sítio ermo.

Pedro Dias conta que os militares o pretendiam algemar e que foi agredido com pontapés, murros e joelhadas por várias vezes. Em resposta, puxou da arma que tinha dentro da carrinha e disparou contra o militar António Ferreira.

“A confusão era muita na minha cabeça, não pensei ter acertado onde acertei. O objetivo não era matar, era assustar. Eu queria era que parassem as agressões”, justificou perante o juiz.

O acusado diz ainda que foi o militar António Ferreira quem atingiu os dois civis na estrada entre Aguiar da Beira e o Sátão. Admitu ter algemado posteriormente o militar da GNR, que algemou numa árvore. O militar Ferreira atirou-se para cima do acusado e foi aí que Pedro Dias diz ter disparado.

Tópicos:

Pedro Dias, Ministério Público,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.