Movimento diz que maioria dos médicos mantém escusa às horas extra em dezembro

por Lusa

O movimento Médicos em Luta avançou hoje que apenas 10 dos 500 médicos que inquiriu ponderam retirar a declaração de escusa às horas extraordinárias, o que faz prever a manutenção dos constrangimentos no Serviço Nacional de Saúde.

A porta-voz do movimento, Susana Costa, adiantou à agência Lusa que foi elaborado um questionário para perceber se os médicos mantinham ou retiravam a minuta de escusa ao trabalho extraordinário, além das 150 horas obrigatórias anuais.

O questionário surge na sequência do acordo intercalar assinado esta terça-feira entre o Governo e o Sindicato Independente dos Médicos, para um aumento dos salários, que a Federação Nacional do Médicos rejeitou.

"Elaborámos um documento para os colegas responderem. Só cerca de 500 no universo de quase 3.000 responderam e dessas 500 pessoas, só 2% ponderam retirar a minuta", disse a médica.

Susana Costa adiantou que a perceção que o movimento tem é que "a grande maioria dos constrangimentos se vai manter" em dezembro nos serviços de urgências hospitalares de todo o país devido à entrega de cerca de 2.800 minutas.

A somar a esta situação está o facto de aumentar o número de pessoas que recorrem ao serviço de urgência como acontece normalmente nesta época do ano, referiu.

Por esta razão, adiantou, "os constrangimentos vão fazer sentir-se mais, mesmo que o número de serviços fechados em termos de urgência se mantenha".

Questionada se este protesto vai mudar a postura dos médicos no futuro, a porta-voz do movimento afirmou que "seguramente, vai haver uma mudança".

"Aquilo que verificámos ao longo de todo este tempo é que todos os colegas que estavam indecisos sobre a possibilidade de permanecerem no SNS decidiram sair", salientou.

Por outro lado, contou que há muitos médicos a questionarem colegas que estão no estrangeiro "sobre as condições de trabalho em diversos países e sobre os requisitos necessários para emigrar".

"Vai haver um êxodo de médicos porque compreenderam que o Serviço Nacional de Saúde não é um serviço prioritário para quem nos governa e, portanto, quem estava indeciso vai sair", elucidou.

Também os médicos que estavam indeciso sobre "se deveriam ingressar no SNS, decidiram não ingressar", salientou, aludindo às mais de 400 vagas que ficaram por ocupar no procedimento concursal de ingresso no Internato Médico de 2023.

Além disso, realçou, "todos os colegas que até agora se esforçavam sob prejuízo próprio, no sentido de não deixarem os serviços depauperados de médicos, (...) vão deixar de o fazer".

"Portanto, vamos ter muito menos médicos e muito menos médicos a fazer horas extraordinárias mesmo a partir de janeiro" quando começa uma nova contagem para o `plafond` das 150 horas extras.

Comentando o acordo para a revisão da grelha salarial dos médicos, Susana Costa afirmou que "os médicos se sentem verdadeiramente defraudados".

"Primeiro porque as declarações tanto do ministro [da Saúde] como do presidente do Sindicato Independente dos Médicos, que assinou este documento, são falsas", porque "não é verdade que "todos os médicos vão ter um aumento de 400 euros".

Há médicos que vão ter "aumentos de 50 cêntimos", disse, acrescentando que, com a entrada em vigor das novas Unidades Locais de Saúde (ULS) alguns "vão ter mesmo redução de salário".

"Portanto, o acordo assinado não só não serve como é uma verdadeira medida eleitoralista e é uma verdadeira fraude para os médicos", criticou.

Lamentou ainda que há outras questões, além dos salários, que são "muito importantes" para criar um SNS apelativo e para "continuar a crescer em termos de qualidade e de acessibilidade" que não foram resolvidas em quase 20 meses de negociações.

Susana Costa assegurou que o movimento dos médicos "vai fortalecer-se" pela defesa do SNS, que "não pode ser encarado como um arremesso político".

Tópicos
pub