Navio-escola Sagres. Diário de Bordo 15 de fevereiro

por Sofia Leite (jornalista) e Filipe Valente (repórter de imagem) - RTP

O navio-escola Sagres está a cumprir desde o início de janeiro a viagem de circum-navegação, com partida em Lisboa. O percurso ocupará 371 dias. A bordo, durante parte da rota, seguem a jornalista Sofia Leite e o repórter de imagem Filipe Valente.

Saída do Rio de Janeiro. 

Saímos da Baía de Guanabara às 10h00, hora prevista para a largada. Ao fim de três dias de chuvas fortes, o sol finalmente despontou e foi debaixo de céu azul, com temperaturas a rondar os 26 graus e alguma humidade, que a Sagres partiu para a sua quarta tirada. O destino: Montevideo, Uruguai.

Ainda antes de passar a boca da Baía e entrar em mar alto, fez-se uma tentativa para colocar pano, mas ao fim de muita azáfama e poucos minutos, o vento, sempre a rodar, não permitiu que a Sagres se despedisse dos Cariocas em todo o seu esplendor.

Acompanhados pelo ronronar dos motores avistámos pela última vez o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar. Uma largada pacífica, segundo o Oficial Imediato Ricardo Granja, registando-se apenas um pequena ocorrência com o motor, que por minutos, não trabalhou. A largada começara sem os rebocadores, algo bastante raro, salientou o oficial imediato, mas que pouco durou, pois sem motor, tiveram que ser os rebocadores a puxar o navio.

A meio da tarde, já sem avistar a célebre frente de mar do Rio de Janeiro, içaram o pano e desligaram-se as máquinas.

Mantendo uma velocidade média de seis nós, com uma ondulação de um metro, navegamos à vela, para sudoeste ao rumo 200.
Sofia Leite (jornalista) e Filipe Valente (repórter de imagem)
pub