Passos acredita que "resultado natural" destas eleições é a vitória da AD

por Cristina Santos - RTP
Pedro Passos Coelho, em Faro. Foto: Tiago Petinga - Lusa

O antigo primeiro-ministro e ex- líder do PSD faz um apelo a que os eleitores deem uma vitória sólida à AD.

Pedro Passos Coelho defende que “se queremos crescer temos que fazer por isso” apontando que o “PS tem vazio imenso para oferecer ao país”.

O antigo primeiro-ministro afirma que “se sente no país vontade de mudança” porque “é preciso dar uma oportunidade ao país para ser diferente” e sublinha que os eleitores têm parte dessa responsabilidade.

Em Faro, no comício da AD, Passos Coelho acredita que "o resultado natural é a vitória da AD", mas para que esse Governo possa ter "condições" apela aos eleitores que dêem "condições de força política a esse Governo", uma vez que "é importante (...) um Governo com algumas condições para responder pelos resultados" da governação.

O antigo primeiro-ministro ataca a governação socialista e toda a esquerda, por estarem sempre a agitar com o papão e lobo mau do passado.
Para Passos Coelho, o que não faz sentido é o PS pedir para continuar a governar, depois de ter perdido uma maioria absoluta.

Pedro Passos Coelho aponta “o sentimento de insegurança” que "os portugueses sentem" e a falta de esperança que têm no futuro, daí que é preciso “mobilizar os eleitores”, para isso é preciso "mudar as práticas politicas" e acabar com os oportunismos.

Pedro Passos Coelho juntou-se à campanha da Aliança Democrática esta segunda-feira, ao início da noite, e garantiu que a sua presença é para "ajudar o PSD" e não para "criar desatenções".

O antigo primeiro-ministro, que liderou o PSD entre 2010 e 2018, chegou a pé com o atual presidente do partido e afirmou estar no comício “para retribuir esse apoio, essa solidariedade” que sentiu por parte de Luís Montenegro, então líder da bancada parlamentar social-democrata.






Tópicos
pub