Procriação medicamente assistida. Dadores podem manter anonimato

por RTP

O parlamento aprovou um regime transitório que resolve a decisão do Tribunal Constitucional que pôs fim à confidencialidade dos dadores para prociração medicamente assistida.

Todos os dadores de espermatozóides e óvulos que tenham feito as doações até maio do ano passado poderão manter o anonimato.

Há dezenas de casais que no entanto ultrapassaram já a idade legal para fazerem tratamentos no Serviço Nacional de Saúde.