Protesto "contra etnocídio de indígenas" no Brasil passa hoje por Lisboa, Porto e Coimbra

| País

Uma manifestação internacional "contra o etnocídio de indígenas e "as ameaças" do novo Governo brasileiro, bem como pela preservação da Floresta Amazónica, passa hoje por Lisboa, Porto e Coimbra, informou a organização numa nota enviada à Lusa.

Hoje, também, o movimento indígena brasileiro promove várias ações de protesto e manifestações em simultâneo por todo o Brasil, numa iniciativa coordenada pela APIB - Articulação dos Povos Indígenas do Brasil", pode ler-se no mesmo comunicado.

O mote é impactante, segundo a organização: "`Sangue Indígena, Nenhuma gota a mais`, e pretende chamar a atenção para o etnocídio em curso no Brasil (...) que se tem estado a traduzir num crescente número de ataques e conflitos violentos em territórios indígenas, deixando um rasto de mortes".

"Muitos dos mortos são líderes indígenas e ativistas ambientais", denuncia-se na nota.

A mobilização nacional e internacional surge como "movimento de repúdio contra a Medida Provisória 870, assinada pelo atual presidente Jair Bolsonaro, que leva ao esvaziamento da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), à sua saída do Ministério da Justiça, bem como à transferência das suas atribuições, da demarcação e do licenciamento ambiental em terras indígenas para o Ministério da Agricultura e Pecuária", acrescenta-se.

"Vamos criar um espaço seguro para que possa haver um debate saudável sobre este assunto. Queremos que haja uma tomada de consciência por parte da sociedade portuguesa, para que não compactue com o etnocídio e ecocídio em curso no Brasil", afirma Marina Nobre, da Reflorestar Portugal, citada no documento enviado à Lusa.

Já Rita Natálio, do movimento `Contra o ódio, pela democracia no Brasil`, a "luta dos povos indígenas do Brasil diz respeito a Portugal e todos os países que desejam combater as alterações climáticas e o direito a existir dos povos originários", pelo que "esta ação faz parte da constituição de uma rede de solidariedade ampla contra os retrocessos no Brasil.

"O ato que estamos a organizar vem em resposta ao apelo da APIB, e sentimos a importância de mostrar a nossa solidariedade para com os povos indígenas brasileiros. Conhecemos diretamente pessoas destas comunidades e temos noção do que lutam no dia-a-dia para sobreviver, e por que apelam à união para uma luta comum", refere Sara Baga, membro da rede europeia de apoio aos povos indígenas Guarani e Kaiowa, também ela citada na nota.

A praça Luís de Camões, em Lisboa, será hoje palco, a partir das 14h00, palco de uma vigília. No Porto, à mesma hora, terá lugar uma concentração e vigília na Praça da Liberdade e em Coimbra, às 20h00, uma conversa aberta e um espetáculo.

Tópicos:

APIB Articulação, Guarani, Nobre Reflorestar,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.