Tomar. O grande tabuleiro

A Festa dos Tabuleiros está de regresso à cidade templária de Tomar. Uma festa com ligações ao culto do Espírito Santo e ao chamado "milagre das rosas", da Rainha Santa Isabel, num longo desfile que leva para as ruas nabantinas cerca de 750 tabuleiros - transportados por mulheres.

O motivo principal deste acontecimento é o grande Cortejo dos Tabuleiros, que, devido à importância e esplendor, acabou por dar o nome à festa. Uma tradição que tem por base a lenda do "milagre das rosas", atribuído à Rainha Isabel de Aragão, também conhecida por Rainha Santa Isabel, que no século XIII, num dia de inverno, ao transportar pão para dar aos pobres, teria sido confrontada pelo marido, o Rei Dom Dinis.

Para construir um tabuleiro robusto, as canas têm de ser apanhadas com tempo. São elas que fazem o "esqueleto" do tabuleiro, que suportam os 30 pães, nas cinco ou seis canas dispostas no rebordo do cesto de verga. A diferença [canas] dita se o tabuleiro é mais alto ou mais baixo e que depois são distribuídos de acordo com a altura das mulheres.
Surpreendida pelo soberano, que lhe inquiriu onde ia e o que levava no regaço, a Rainha terá exclamado: ''São rosas, Senhor!''. Desconfiado, D. Dinis inquiriu: ''Rosas, em Janeiro?''. D. Isabel expôs então o conteúdo do regaço do seu vestido e neste haveria rosas, ao invés dos pães que ocultara.

Em meados do século XVI, a lenda já tinha sido amplamente difundida e foi ilustrada por uma pintura anónima, conhecida por ''Rainha Santa Isabel'', no Museu Machado de Castro de Coimbra, e por uma iluminura da ''Genealogia dos Reis de Portugal'', de Simão Bening, sobre desenho de António de Holanda.

Precisamente nesse período e sendo já Tomar uma sede templária, com forte culto à religião católica e ao Espírito Santo surgia entre os senhores feudais e mais abastados, uma tradição de oferenda de pão, vinho e carne, dispostos em tabuleiros, em que as mulheres levariam essas oferendas à igreja, para depois serem entregues aos mais pobres.

Noventa anos separam estes dois cartazes promocionais da Festa dos Tabuleiros, que se reenventa de quatro em quatro anos. (cartazes oficiais de 1929 e 2019).

A tradição chegou até aos nossos dias, perpetuando a fé e a demonstração da dádiva para com os mais necessitados.
O grande tabuleiro
Sendo esta festa mais do que um ritual, o trabalho de preparação é moroso. Razão pela qual há a perceção de que esta tradição não poderia repetir-se todos os anos, realizando-se atualmente a tradicional Festa dos Tabuleiros de quatro em quatro anos.

Como afirmava o escritor Fernando Araújo Ferreira, “o tabuleiro é um hino de cor. Um poema nascido da arte popular tomarense. Das mãos e inspiração do seu povo. (…) O tabuleiro é uma oferta de pão, por isso o pão deve ficar à vista, a ornamentação pertence ao gosto de quem o decora, com flores de papel e verdura se for caso disso. O Cortejo vive e encanta pela variedade de cores e ornamentações”.


Augusto Barros Alves, mestre nestas andanças dos tabuleiros, explica que construir um tabuleiro destes não é uma obra que se faça de um dia para o outro. Há todo um procedimento desde o cesto de verga, na base, até ao cimo, onde assenta uma coroa de latão.
Sendo uma festa já com algumas centenas de anos, os organizadores pretendem elevar o nível desta tradição e colocá-la entre as maravilhas patrimoniais do mundo. Para tal estão a fomalizar a candidatura à UNESCO.
Para este “artesão”, que também é presidente de Junta, todo o conjunto tem de ser muito bem construído e equilibrado, sob o risco de quem os transporta ter uma surpresa e ver desmanchado perante milhares de olhos um dos símbolos desta festa tradicional.

“Algo que não queremos mesmo que aconteça. Embora o vento por vezes pregue alguns amargos de boca”, refere mestre Augusto.

Para construir um robusto tabuleiro, as canas têm de ser apanhadas com tempo, secas e cortadas com mestria. São elas que que fazem parte do “esqueleto” do tabuleiro, que suporta os 30 pães nas cinco ou seis canas dispostas no rebordo do cesto de verga. Esta diferença (canas) dita se o tabuleiro é mais alto ou mais baixo. Depois, a distribuição é feita em função da altura das mulheres.

Este é um trabalho que dura vários meses e ocupa várias horas por dia. E a noite também conta. Se a fome aperta, o pão, que é do dia e por vezes se parte ou sobra, sempre dá para preencher o estômago, com atum ou presunto.


Os "Tabuleiros" seriam as dádivas dos mais ricos, com oferendas de pão e cereais, para posterior repasto dos mais pobres, num gesto de partilha fraterna e símbolo da distribuição dos dons do Espírito Santo e da abundância de Deus.

Este ano é a mordoma quem manda
Maria João Morais, mordoma da Festa dos Tabuleiros de 2019, admite que há sempre algum nervosismo, face à enorme responsabilidade, mas ao mesmo tempo um orgulho em estar à frente da organização de uma festa centenária como esta. Desde logo por ser a primeira vez que toma este cargo.

Afirma conhecer as raízes e as tradições, que trazem às ruas nabantinas a cor, a alegria e o desfilar de centenas de tabuleiros transportados à cabeça das mais de 700 senhoras, acompanhadas pelos seus parceiros masculinos. Homens que só auxiliam as mulheres, manda a tradição, para elas descansarem um pouco. O grande e pesado tabuleiro é então levado ao ombro por eles, mas a distância não pode ser muita.

Maria João Morais explica que “o tabuleiro não é mais do que uma oferenda na forma vertical e daí o pão. É uma festa que une todo o povo deste concelho. A festa do povo, feita pelo povo e para o povo”.

Só nos grandes tabuleiros, que participam oficialmente na festa, vão estar embutidos nas canas que constituem a armação vertical 22.440 pães, todos eles comestíveis e confecionados para a ocasião. Uma peça que pode ser considerada de “arte”, composta por um cesto de verga, canas entrelaçadas, rastas de flores de papel e obrigatoriamente 30 pães, cada um, que não são baratos, diz a mordoma Maria João.

“Fazer a conta ao tabuleiro, aos cestos, não temos propriamente essa conta. Sabemos que na totalidade, a nível do papel, gastaremos perto dos 90 mil euros”.

A festa que começa muitos meses antes, com o início da preparação dos tabuleiros, bem como das ruas ornamentadas. Em abril, no domingo de Páscoa, começa oficialmente o primeiro ato festivo, com a primeira saída das Coroas a anunciar a grande festa, que se realiza este ano entre 28 de junho e 8 de julho.
Tabuleiros candidatos a património
Sendo uma festa já com algumas centenas de anos, os organizadores pretendem elevar o nível desta tradição e colocá-la entre as maravilhas patrimoniais do mundo. Para tal estão a fomalizar a candidatura à UNESCO.

Maria João Morais refere que a autarquia de Tomar já lançou o projeto nesse sentido, com um trabalho de investigação histórica, estando já o processo de candidatura em fase de conclusão.

Uma candidatura onde se pretende formalizar e defender uma tradição que é a marca “Festa dos Tabuleiros”.
Festa dos Tabuleiros: o percurso
O cortejo principal dos Tabuleiros, já descrito já na literatura portuguesa, é um percurso com cerca de seis quilómetros, em que 748 casais desfilam pelas ruas da cidade, numa marcha que é muitas vezes dificultada pelo calor de julho, ou pelo vento que parece soprar mais forte quando o cansaço já não ajuda.

Enquanto enrola o arame, dando forma a mais uma papoila, a dona Conceição confessa que construir toda esta beleza é ainda mais gratificante, quando nos diz que um dos tabuleiros que irá sair à rua foi por si engalanado.Manuel Guimarães, um escritor e historiador local, descreve este cortejo com um quadro literário curioso: "As raparigas, figuras principais, desfilam em duas longas filas ao lado dos seus ajudantes (os rapazes) que seguem do lado de dentro mas sempre atentos às companheiras. Dirigem-se à Praça da República onde o Cortejo enrola harmoniosamente até preencher sem sobressaltos a placa central. Um representante da Igreja vem à Praça, paramentado, dar a bênção aos Tabuleiros. Depois, a um sinal do sino, é a elevação, um momento inesquecível. Uma moldura humana impressionante, aplaude comovida este momento mágico, único, pela sua grandiosidade, simbolismo e beleza, único na nossa arte e na nossa cultura".

Este ano, o percurso não terá alterações ao já efetuado noutras celebrações. No dia 7 de julho, cerca das 16h00, o cortejo sai da Mata dos Sete Montes, seguindo pela Avenida Cândido Madureira, Rua Everard (Levada), Rua Serpa Pinto (Corredoura) e Praça da República. Aqui, após a cerimónia da bênção dos Tabuleiros, segue-se novamente pela Rua Serpa Pinto, Rua Everard, Ponte Nova, Avenida Norton de Matos, Rua Manoel de Mattos (pausa para descanso e abastecimento), Praceta Raúl Lopes, Rua Miguel Ferreira, Avenida Ângela Tamagnini, Alameda Um de Março, Rua Marquês de Pombal, Ponte Velha, Avenida Marquês de Tomar, Rua Silva Magalhães, Praça da República, Rua Infantaria 15 e Avenida General Bernardo Faria.

Um longo caminho que Natália Freire e Ortense já conhecem de cor, pois esta é a segunda vez que participam na festa. Mas como já sabem o que aí vêm, há que treinar, mesmo admitindo dificuldades, diz Ortense com um sorriso: "Pesa 16 quilos, mas metemo-nos nelas temos de aguentar".

Os tabuleiros vão estar em exposição na Mata dos Sete Montes desde sábado, 7 de julho, à tarde, até à meia-noite, e domingo das 9h00 às 13h00.

São flores, senhor
Adornados de cima a baixo, para além do pão, que representa as 30 moedas pelas quais Judas traiu Jesus, os tabuleiros são intercalados verticalmente com centenas de flores de papel, que simbolizam a lenda da Rainha Santa Isabel.

No século XVI, os tabuleiros eram revestidos com centenas de flores da época estival. Papoilas, espigas, malmequeres, rosas, entre muitas outras, que embelezavam e davam cor ao enorme tabuleiro das casas senhoriais.

Com o avançar dos tempos, para manter a beleza exterior do tabuleiro, as flores passaram a ser feitas de papel, mas sempre mantendo a traça e a originalidade das "irmãs" verdadeiras.

Um trabalho minucioso que começa quase um ano antes da grande celebração e que junta muita gente, num trabalho manual, muitas vezes fora de horas, que culmina num entrançado perfumado para quem quem os faz e quem os aprecia.
As floristas da tábua quadrada
Passava pouco das 15h00 e o trabalho desse dia ainda não estava a meio. Estamos no início de junho e o cheiro da grande festa, cada vez mais próxima, já se sente no ar, não dando muita margens à dúzia de senhoras que mecanicamente manuseiam milhares de folhas, transformando papel em flores.

Ligeiramente menos frágeis do que as verdadeiras, muitas flores nascem do recorte delicado de folhas de papel-cartão que, entrelaçadas com minúcia, vão nascendo das mãos de quem lhes procura dar vida. Um trabalho que procura encontrar muito da flor original e que é explicado por Conceição Alcobia, uma das fazedoras de papoilas, que já está nesta confeção há nove meses.

“As flores são cortadas em papel-cartão, à mão. A papoila, por exemplo, temos o meio [feita de espigas pretas], uma franjinha e depois temos as pétalas [rubras] que cortamos à mão”, uma após outra.

Enquanto enrolava o arame, dando forma a mais uma papoila, Conceição confessa que construir toda esta beleza é ainda mais gratificante, quando afirma alegremente que um dos tabuleiros que irá sair à rua foi por si engalanado.

"Quando a gente sai com os tabuleiros para a rua, dá gozo. Até as lágrimas correm pela cara abaixo. É emocionante!", remata.



O trabalho é maioritariamente realizado por mulheres, mas eles também ajudam. Aníbal Pereira está hoje sozinho entre elas, mas não é razão para se sentir acanhado. Agarrado a um conjunto de folhas verdes, brancas e amarelas, vai dando forma a malmequeres que se juntam à sua frente num vaso improvisado de plástico.

Esta não é a primeira vez que trabalha com flores de papel, porque em ocasiões anteriores era um dos que engalanava a sua rua, mas mudou-se para uma zona de Tomar mais recente. onde esta tradição ainda não está muito presente. Tomou conhecimento através de pessoas amigas de que iriam precisar de voluntários para a elaboração das flores que preenchem os tabuleiros e disse presente.

Apesar de já saber manusear esta arte em papel, admite nunca ter feito um trabalho tão delicado e, se hoje o faz, aprendeu com as mulheres. “Tive de aprender com elas, que remédio tive”, diz Aníbal a sorrir. “ Mas o que me trouxe para aqui foi o chamado espírito da Festa do Tabuleiros”.



Cortejo das Coroas e rapazes

A decisão de repetir a Festa dos Tabuleiros é oficializada com um ano de antecedência, em reunião pública convocada pelo presidente da Câmara. As cerimónias, todavia, só têm início no Domingo de Páscoa do ano seguinte.

O Cortejo das Coroas é o primeiro ato solene da Festa dos Tabuleiros e destina-se, tal como antigamente, a anunciar à população a próxima celebração da sua Festa maior.

No chamado terceiro ciclo da Festa (após 1950), o Cortejo sai da Misericórdia, fiel depositária do Pendão e Coroas do Espírito Santo da cidade de Tomar, dirige-se à Igreja de S. João Baptista, onde é celebrada a Missa Solene do Espírito Santo na presença das Coroas e dos Pendões das 11 freguesias do concelho, que são colocados na capela-mor. Terminada a Missa, o primeiro cortejo das Coroas percorre o itinerário do Cortejo dos Tabuleiros.

Como é uma festa religiosa, há sete saídas de Coroas. Sete é o número perfeito da Igreja Católica: sete dias da semana; sétimo dia é o da plenitude da caminhada (quando Deus descansou); sete são os dons do Espírito Santo e sete são os domingos da Páscoa ao Pentecostes, quando se celebra a plenitude da Vida Nova.


As ruas são então decoradas com colchas coloridas nas janelas e o chão com verdura. À passagem do Cortejo, o povo tem por hábito lançar flores criando um efeito de harmonia, de cor, envolvido num clima de alegria que se vive sempre em ano de Festa dos Tabuleiros.

A antecipar o Cortejo e bem à frente vai o fogueteiro, anunciando a aproximação da procissão, seguidos pelos gaiteiros, a banda, o Pendão do Espírito Santo, as três Coroas do Espírito Santo da Cidade. Seguem-se depois as 11 Freguesias, representadas pelos Pendões e pelas Coroas, com os respetivos membros das diferentes Comissões e o povo.

O percurso das restantes saídas de Coroas é variável e tem sido adaptado ao crescimento da Cidade, pretendendo-se levar o anúncio da Festa à maioria dos habitantes, havendo rotatividade entre as juntas de freguesia que só se voltam a juntar no dia do Cortejo dos Tabuleiros.
Cortejo dos Rapazes
Desde o início das suas atividades, os jardins-de-infância e escolas de primeiro ciclo do concelho de Tomar tiveram como filosofia trabalhar junto da comunidade local, dando a conhecer o meio, preservando a cultura e tradições e principalmente transmitindo esses valores às crianças com quem trabalhavam. Desta ideia inicial e com o aproximar da Festa dos Tabuleiros de 1991, com o apoio dos elementos da Comissão de então, dos pais e das crianças, voltou a recuperar-se o “Cortejo dos Rapazes”, que se tinha realizado pela última vez em 1892.

Tudo é feito como se se tratasse do Cortejo dos Tabuleiros dos “adultos”, pois a ideia é não só mostrar que os mais novos também são parte integrante da festa, mas também incentivar e enraizar uma tradição que não se quer perder.

As crianças, tal como os “crescidos”, levam os trajes de tradição: as meninas vestidas de branco com uma fita de cor (cor predominante nas flores da cestinha ou do tabuleiro) à cintura e a tiracolo, sogra ou rodilha, e transportam o tabuleiro que terá a sua altura e os rapazes trajam com calça preta, cinta preta, barrete preto no ombro esquerdo, camisa branca e gravata habitualmente da cor da fita da menina.

A alegria e o entusiasmo da população foi tanta, que em 1995 o número de crianças já foi maior e no Cortejo dos Rapazes de 2003 estiveram envolvidas cerca de duas mil crianças dos jardins-de-infância e escolas do primeiro ciclo do concelho.

Cortejo do Mordomo
Não se sabe com rigor a origem do "Cortejo do Mordomo", mas estima-se que, de início, seria um hino à abundância simbolizada nos bois que iriam ser abatidos para o Bodo.

"Os Bois do Espírito Santo", como eram chamados, desfilavam perante o olhar da população, sendo posteriormente abatidos e a carne distribuída a ricos e pobres, em celebração de um mundo novo e fraterno.

Desde 1966 que os bois já não são abatidos, estando no entanto presentes no cortejo.

Os bois são enfeitados com colares e brincos de flores, desfilando pelas ruas da cidade ao som de foguetes, gaiteiros e banda de música e acompanhados de vários cavaleiros, assim como algumas charretes que transportam os Mordomos e convidados.

A tradição da entrega da carne, que outrora provinha da matança dos animais, continua a existir, mas agora a carne é obtida junto dos proprietários dos talhos e entregue apenas e unicamente a famílias carenciadas.

José Pereira não é novo nestas andanças. Com 30 anos de experiência nesta festa milenar, revela que é com um enorme orgulho que este ano volta a organizar uma das componentes da Festa dos Tabuleiros, que diz respeito ao Bodo ou Pêza.

Os bodos do Espírito Santo (refeição sagrada), instituídos pela Rainha Santa Isabel, com a passagem dos anos passaram a designar-se, em Tomar, Pêza. É o último ato de cada Festa dos Tabuleiros. Acontece no dia a seguir ao Cortejo dos Tabuleiros (segunda-feira) e, seguindo a tradição, numa forma de agradecimento a Deus, consta da partilha do pão, da carne e do vinho agora só com os mais pequenos, os mais frágeis.

Para José Pereira, mais do que ser organizador, é fazer perdurar uma tradição, muito embora seja cada vez mais difícil encontrar as “peças” tradicionais, como por exemplo as carroças e as sumptuosas parelhas de bois que fazem parte da quadrilha que desfila no final do cortejo.

"A exemplo de muitas outras festas dos tabuleiros, dediquei-me à parte do Cortejo do Bodo ou da Pêza, onde é feita a partilha de tudo aquilo que faz parte essencial da festa, que tem o trigo que representa o pão, a carne, que são os bois e o vinho tem uma carroça que vai ser efeitada com as cores e algumas parreira e uvas verdadeiras".

"Há 30 anos que participo, principalmente nesta área. E por defeito de formação, como fui sempre professor de trabalhos manuais, adorava fazer flores de papel. Infelizmente, o tempo é escasso, mas ainda vou dando uma mãozinha, ajudando na construção e confeção dos tabuleiros e ensinar a quem quiser”.

O desfile simbólico adapta-se às mudanças dos tempos, tendo já os mais novos, no "cortejo dos rapazes", uma parelha pequena, mansa, que agrada a pequenos e graúdos.

Ruas Populares Ornamentadas

A Festa dos Tabuleiros é hoje, essencialmente, um evento de cor e movimento. Uma das formas mais características de a população mostrar a alegria pela realização da Festa é a ornamentação das ruas, chamadas de populares porque a maioria se encontra no chamado centro histórico da cidade, onde o bairrismo subsiste.

O talento e o trabalho dos "decoradores" é premiado e avaliado pela Comissão das Festas, que oferece placas a premiar a cor, a harmonia ou a tradição, sendo contempladas todas as ruas concorrentes.

Este ano a diferença não é muita. Centenas de pessoas continuam a "dar" milhares das suas horas de lazer, durante mais de seis meses, a criar e a confecionar milhares de flores de papel com que vão ornamentar as ruas.

A ornamentação é sempre da autoria destes e a responsabilidade e o segredo é sempre mantido até à abertura oficial das ruas populares na quinta-feira à noite. E a rua de São João, bem no coração da cidade velha de Tomar, não é exceção.

Dona Matilde é este ano uma das promotoras da rua e explica que todas as flores, mesmo sendo de papel, têm um significado especial.  Este ano, mesmo guardando segredo sobre o tema que vai enfeitar a sua rua, outrora premiada, dona Matilde não se mostra acanhada quando expressa: "A nossa rua é sempre a melhor".

É com um arrepio no braço que dona Matilde, tomarense de coração, vai confessando que participar nesta festa é sempre um orgulho e emoção. De pé, vai retirando folhas pretas já recortadas de papel crapom, que dão origem a mais um grosso cordão, que será entrelaçado perante as cabeçças dos visitantes de quem por esta rua passa.

Mas não está sozinha neste espaço, que outrora fora comercial. A crise obrigou ao encerramento, mas a festa fez renascer uma "fábrica improvisada" de flores de papel. Dos mais novos, que são arrebatados ao espreitar, aos mais velhos, que das suas mãos enrrugadas ainda nasce magia. Tudo para que a Rua de São João fique na alma e no coração de quem por lá passar. 
Cortejos parciais e jogos populares
A necessidade de reunir os tabuleiros das diferentes freguesias para o Cortejo de Tabuleiros levou, a partir dos anos 50, à introdução de um elemento novo – um desfile em separado dos tabuleiros das diversas freguesias que, partindo de um local previamente escolhido, passam junto ao edifício dos Paços do Concelho, onde são recebidos pelo mordomo, presidente da Câmara e vereação, dirigindo-se para a Mata Nacional dos Sete Montes, onde ficam em exposição até ao Cortejo de domingo.

Claro está que não existe uma boa festa sem um jogo popular. A Festa dos Tabuleiros era o grande acontecimento que atraía a Tomar a população das redondezas, que se deslocava, como era habitual na época, a pé, de carroça ou sobre os muares. E os jogos como a corrida de burros eram a parte mais animada da festa. Em 1964, houve uma readaptação e os jogos populares adaptaram-se.

Os jogos passaram a ser inspirados no trabalho como o corte de troncos a machado e corte de troncos a serrote. Mais tarde introduziu-se o chinquilho, a gincana de burros, a corrida de carroças, a corrida de cântaros, a subida do mastro, a corrida de sacos, a corrida de pipas e a corrida de púcaros.

A Festa dos Tabuleiros tem uma página oficial: tabuleiros.org.