Universidade da Beira Interior não entregou orçamento devido a "subfinanciamento crónico"

| País

A Universidade da Beira Interior (UBI) não submeteu a proposta orçamental para 2018, situação que resulta do "subfinanciamento crónico" a que a instituição está votada, disse hoje, à agência Lusa, o reitor desta universidade sediada na Covilhã.

"Esta é uma consequência clara do subfinanciamento crónico a que a UBI enfrenta há vários anos e que, a prazo, vai resultar no estrangulamento financeiro da UBI porque, como tenho referido sistematicamente, não recebemos sequer o valor suficiente para pagar os ordenados", afirmou António Fidalgo.

Contactado pela Lusa, o reitor começou por confirmar que a proposta orçamental não foi submetida na Direção Geral de Orçamento, referindo que a UBI estava impossibilitada de realizar tal procedimento, "em respeito pela lei e pelas regras contabilísticas, que exigem um equilíbrio entre as receitas e as despesas".

"As regras dizem que não posso esconder a despesa, nem empolar a receita e, perante isto, a UBI fica impossibilitada de submeter a proposta", acrescentou, remetendo esclarecimentos mais detalhados para o discurso que fará esta quinta-feira durante a cerimónia de tomada de posse do segundo mandato para o qual foi eleito.

Questionado sobre as eventuais consequências da decisão de não submeter a proposta, António Fidalgo assumiu estar preocupado, mas salientou que "compete à tutela resolver a situação".

Esclareceu ainda que no dia 17 de agosto deu conhecimento à tutela da impossibilidade de submissão da proposta e que já a 24 de agosto pediu uma reunião à Comissão de Educação e Ciência na Assembleia da República, de modo a expor o problema relativo ao subfinanciamento da UBI.

Tópicos:

Beira, Fidalgo Contactado, UBI,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

      Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

        A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.