Vila do Conde contra "política de remendos" no Centro Hospitalar local

| País

Vila do Conde, Porto, 28 mar (Lusa): A Câmara Municipal de Vila do Conde manifestou-se hoje "absolutamente contra uma política de remendos" nas atuais instalações do Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim/Vila de Conde.

Esta reação vem na sequência de uma recente posição da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), onde este organismo vincou que "não pode assumir" a construção de um novo hospital que sirva os dois concelhos, devido a "constrangimentos orçamentais".

A ARSN lembrou que "está a decorrer um levantamento de necessidades [no atual Centro Hospitalar], de modo a que, no mais curto espaço de tempo praticável, possa ser efetuado o investimento necessário e, neste momento, financeiramente possível".

Perante esta posição do organismo, a autarquia vila-condense considerou que as atuais instalações da unidade de saúde que serve os dois concelhos "estão claramente degradadas", defendendo ser "absolutamente necessário criar condições para o bom atendimento dos cerca de 200 mil utentes e para o desempenho dos excelentes profissionais que ali exercem funções".

"Não havendo um limite temporal para a decisão em relação a futuras instalações, continuamos a defender que, havendo um hospital novo e provido de excelentes condições, situado em Vila do Conde, como é o caso dos Hospitais do Senhor do Bonfim (HSB), deve ser devidamente ponderada com o proprietário a utilização de parte dos seus espaços, como hospital público, em regime de arrendamento (como acontece atualmente com os dois hospitais, alugados às Misericórdias), e assegurando total independência de funcionamento.", vincou Câmara Municipal vila-condense, através de comunicado.

A autarquia reiterou que tal seria "uma rápida solução intermédia, em excelentes condições de funcionamento, com evidentes vantagens para profissionais e utentes", e que travaria um eventual esvaziamento de valências da atual unidade.

"Seria também uma medida de prevenção relativamente a qualquer desenlace futuro, que venha de novo a colocar a inadmissível hipótese de transferência destes serviços para o Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos", pode ler-se no documento.

Ora esta posição da Câmara vila-condense `choca` com o que é defendido pelo presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, que preconiza as obras de melhoramento e ampliação do atual Centro Hospitalar, dispondo, não só, verbas do município para tal, como cedendo instalações contíguas para tal.

Recorde-se que há três semanas a Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim aprovou uma moção de apoio à realização de obras de ampliação do Centro Hospitalar local e de recusa da deslocalização de valências para unidades privadas ou fora dos concelhos.

Já a Assembleia Municipal de Vila do Conde também aprovou uma moção sobre o tema, na última quarta-feira, mas defendendo a construção de raiz de um novo Centro Hospitalar que sirva o concelho e também o município vizinho da Póvoa de Varzim.

Tópicos:

Hospitalar Póvoa, Póvoa Varzim Aires,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.