CDS votará contra resolução do BE e desafia esquerda a rejeitar o Programa de Estabilidade

| Política

|

Assunção Cristas afirmou hoje que o CDS votará contra o projeto de resolução do BE e desafiou os partidos que apoiam o Governo a rejeitarem o Programa de Estabilidade, para o qual irá apresentar propostas alternativas.

O CDS-PP "certamente que votará contra [o projeto de resolução do BE] porque tem um projeto de resolução alternativo", afirmou a presidente dos centristas, Assunção Cristas, desafiando o BE a "votar a resolução do CDS".

O BE anunciou na sexta-feira a apresentação de um projeto de resolução no parlamento para que o Programa de Estabilidade mantenha o compromisso do défice de 1,1% e a folga orçamental seja devolvida à sociedade.

Uma proposta que, para a líder do CDS, não evidencia "uma crise política", mas "apenas uma ilusão de crise política" já que os partidos que suportam o Governo, já, em anos anteriores, adotaram "posições semelhantes", aquando da discussão do Orçamento do Estado ou do Programa de Estabilidade.

O importante, para Assunção Cristas, "é que todas as forças políticas se posicionem, todos os partidos digam das suas prioridades e no caso destes partidos que apoiam os Governo, as esquerdas unidas ou esquerdas encostadas, que sejam consequentes com aquilo que é a sua posição".

"Não podem à segunda, quarta e sexta serem apoiantes do Governo, e à terça, quinta e sábado serem críticos do mesmo Governo", disse Cristas aos jornalistas, desafiando o PCP e o BE a "rejeitarem" o Programa de Estabilidade, em relação ao qual, acrescentou, o CDS "tem uma posição muito clara".

O partido vai apresentar no parlamento dois documentos: "um de rejeição pura e simples do Programa de Estabilidade" e outro com "a visão alternativa" do partido para o país.

O primeiro, afirmou Assunção Cristas, "o BE, se é contra este programa, pode votar".

Já em relação ao segundo, admitiu que o BE não possa acompanhar as propostas que passam pelo "objetivo de a dez anos, de forma sustentável ir reduzindo a carga fiscal, para todos os portugueses" e a "criação de um estatuto de beneficio fiscal para o interior", bem como regras para "trazer maior competitividade" a essas zonas.

As propostas do CDS apontarão ainda para "a necessidade de aumentar e promover o investimento e a competitividade da economia portuguesa", incidindo em medidas como os impostos sobre o gasóleo e gasolina "que, para além das empresas, penalizam também, "as famílias".

Assunção Cristas falava os jornalistas em Rio Maior, à margem de uma visita à escola secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, onde hoje participa numa conversa com os alunos.

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.