Luís Montenegro não se candidata à liderança do PSD

| Política

Luís Montenegro pede que o debate da sucessão interna no PSD "não se fulanize"
|

Em comunicado, o ex-líder parlamentar dos social-democratas alega “razões pessoais e políticas” para não avançar com uma candidatura às eleições no PSD e anuncia que não vai apoiar ninguém na corrida interna.

Dois dias depois de Pedro Passos Coelho ter anunciado que não se recandidataria à presidência do PSD, muitas figuras do partido surgiram como potenciais sucessoras, incluindo Luís Montenegro, que tinha prometido refletir sobre o assunto.

No entanto, o ex-líder da bancada parlamentar dos social-democratas já descartou qualquer possibilidade de candidatura por “razões pessoais e políticas” e por entender que “não estão reunidas as condições necessárias” para o fazer. 


“A apresentação de uma candidatura à liderança do Partido Social Democrata é uma prerrogativa que assiste a qualquer militante no pleno exercício dos seus direitos estatutários. Após a reflexão que fiz entendo que, por razões pessoais e políticas, não estão reunidas as condições para, neste momento, exercer esse direito”, refere Luís Montenegro num comunicado a que a RTP teve acesso. 

O deputado não deixa, no entanto, de agradecer “todas as opiniões, contributos, manifestações de apoio e incentivo” das estruturas do PSD nos últimos dias.
 
Apesar de não avançar para a candidatura, Luís Montenegro sublinha que é necessário que o PSD "não fulanize o debate interno" e seja capaz de discutir ideias e projetos para Portugal.

Isto porque, acrescenta o social-democrata, o país é “dirigido por uma maioria de esquerda que não tem uma visão estratégica” e que não vê “limites à sua ânsia de poder”. 
"Total equidistância"
Montenegro apela ainda ao debate amplo sobre o país e promete “participar ativamente” no mesmo através de “contributos” e “reflexões que os candidatos aproveitarão, se assim o entenderem". Reitera, no entanto que não irá apoiar nenhuma das candidaturas, mantendo “total equidistância face às candidaturas que vão surgir”. 

“Como militante de base que hoje sou, e como é obrigação de todos, não deixarei de fazer a minha opção e de participar, com o meu voto, na eleição direta e no Congresso Nacional que se lhe seguirá”, conclui o comunicado. 

Fica assim desfeita a possibilidade de avanço de um dos nomes apontados para a sucessão de Pedro Passos Coelho à frente do partido. Se num primeiro momento Luís Montenegro tinha afastado a hipótese de se candidatar, admitia mais tarde, em entrevista à TSF, que poderia concorrer às eleições diretas.
 
Na próxima segunda-feira, o Conselho Nacional do PSD volta a reunir-se para discutir a antecipação do Congresso nacional do partido e das eleições internas, que deveriam decorrer nos primeiros meses de 2018. 

Face ao fraco resultado do PSD nas eleições autárquicas de domingo, Pedro Passos Coelho anunciou na terça-feira que não se iria recandidatar à liderança do partido e sugeriu mesmo a antecipação do Congresso e a marcação das eleições diretas em dezembro. 

Com esta decisão de Luís Montenegro, mantêm-se os nomes de Rui Rio, Paulo Rangel ou Santana Lopes, algumas das figuras de peso do PSD que poderão anunciar nos próximos dias a candidatura à liderança do partido.  

Tópicos:

Candidatura, Eleições Autárquicas, Eleições Internas, PSD, Pedro Passos Coelho, Luís Montenegro,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.