Relvas não assume derrota e promete reestruturação da RTP

por RTP

O ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares rejeitou na última noite que o adiamento da privatização de um canal da RTP constitua uma derrota política pessoal, antes sim uma adaptação dos planos face às circunstâncias da economia portuguesa. Entrevistado no Telejornal, o ministro sublinhou, por outro lado, que tem um mandato para reestruturar a RTP - um processo que anuncia como "ambicioso" e também "doloroso".

Na entrevista ao Telejornal, Relvas não assumiu que pudesse haver despedimentos e recusou dar um número para os efectivos que, no entender do Governo, a RTP deve conservar. Deu-o para a verba destinada à reestruturação: 42 milhões de euros.

Uma outra verba deixará de existir: a indemnização compensatória. Na concepção advogada pelo governante para o futuro da empresa, o serviço público ficaria a ser financiado pela Contribuição Audiovisual e pelas receitas publicitárias.