Poupa Energia, uma plataforma de poupança para famílias

| Tecnologia

|

A plataforma Poupa Energia permite aos consumidores comparar as ofertas tarifárias dos 23 fornecedores de eletricidade e gás natural e aderir ao serviço que mais se adequa a cada família de forma rápida.

O portal Poupa Energia, que permite simular e comparar mais de 200 tarifários de energia – gás natural e eletricidade – disponíveis no mercado liberalizado e que os consumidores mudem de operador ou alterem o seu tarifário em apenas dez minutos, pode ser utilizado já esta terça-feira.

Gerida pela Agência para a Energia (ADENE), entidade privada sem fins lucrativos e de utilidade pública, esta nova plataforma online foi criada com o objetivo de ajudar as famílias a poupar e a mudar os seus hábitos de consumo, aumentando em pelo menos dez por cento o atual número de mudanças de operadores de energia.

Para conhecer as informações disponíveis, comparar tarifas e simular e preencher os formulários de adesão a um novo fornecedor ou tarifário, basta aceder ao site poupaenergia.pt.

O Poupa Energia dispõe de duas versões. Na versão mais simples os consumidores têm de indicar o número de pessoas que integram o agregado familiar, o tipo de utilização dos serviços de energia, o ano de construção do edifício que habitam e o tipo de pagamento e de fatura - eletrónica ou em papel - que pretendem.
Mais de 200 propostas

Na versão mais avançada, o simulador pede mais informações detalhadas aos consumidores, sobre os equipamentos em uso e os dados de consumo, sendo necessário o consumidor ter as faturas na sua posse.

Após o preenchimento destes dados, em ambas as versões, o consumidor tem acesso às mais de 200 propostas de tarifas de eletricidade, de gás natural ou de ambas combinadas, dentro da oferta disponível pelos 23 operadores em Portugal, sendo posteriormente enviado para a morada indicada o contrato de formalização da adesão aos serviços.

O consumidor pode ainda comparar, neste portal, o que paga no mercado liberalizado com o que continuaria a pagar no mercado regulado, caso se mantivesse neste.

O presidente da ADENE, João Paulo Girbal, afirmou, em declarações à Lusa, que o objetivo do Poupa Energia é conseguir captar cerca de dez por cento das mudanças realizadas durante um ano, ou seja, entre 100 a 150 mil anuais.

Segundo o João Paulo Girbal, o portal pretende dar mais transparência ao mercado de energia, já que "temos uma situação de mercado desequilibrada e este portal vai trazer equilíbrio".
"Tudo a sair do orçamento da ADENE"
O lançamento foi inicialmente anunciado para o verão, tendo só agora a aprovação do secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, e a entrada em funcionamento de um centro de atendimento telefónico de apoio, a funcionar entre as 9h00 e as 18h00.

O Governo pretende ainda que a nova plataforma permita poupar 2,3 milhões de euros nas tarifas de luz e de gás. "Neste momento, o portal não tem receitas. Está tudo a sair do orçamento da ADENE", afirmou o responsável pela agência, realçando que "não terá qualquer custo para os consumidores".

A plataforma Poupa Energia disponibiliza não só informação sobre eficiência energética, como ainda perguntas frequentes e esclarecimentos de dúvidas. Prevê-se que, de três em três meses, o portal conte com novas funcionalidades, segundo João Paulo Girbal, que expressou o interesse em alargar a prestação de serviços também às empresas, de forma a aumentar as receitas da agência.

Tópicos:

consumidor, eletricidade, gás natural, plataforma, poupa energia, simulador, energia,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.