Um mestre de linguagem sem paralelo, afirma Nuno Júdice

| Cultura

O poeta Nuno Júdice afirmou hoje que Herberto Helder, falecido na segunda-feira, foi "um mestre" e um autor com uma linguagem sem paralelo, que descrevia as viagens ao seu mundo interior "de forma única".

O poeta Herberto Helder, de 84 anos, morreu na segunda-feira na sua casa em Cascais, disse hoje à Lusa fonte familiar.

A mesma fonte adiantou que, na quarta-feira, haverá uma cerimónia privada apenas para a família e que não serão dadas mais informações sobre o funeral do poeta.

Em declarações à agência Lusa, Nuno Júdice recordou que, para a sua geração, que começou a escrever e a publicar no final dos anos 1960, Herberto Helder "foi um mestre".

"`Os Passos em Volta`, o primeiro livro de contos, foi uma descoberta, era um tipo de escrita que não se conhecia na literatura portuguesa, falando de coisas como a Europa, a marginalidade, em contacto com uma literatura que seria inteiramente baseada na própria literatura", lembrou.

Para Nuno Júdice, esse livro "foi uma libertação de muitos modelos que nessa altura eram dominantes".

Nos anos seguintes foi acompanhando a poesia de Herberto Helder e sempre mantendo o mesmo interesse por aquilo que ía publicando: "Era uma linguagem que não tem paralelo. Uma viagem ao mundo interior, a espaços da profundidade do ser, que ele conseguida descrever de uma forma única", disse.

Nuno Júdice conviveu com Herberto Helder durante alguns anos, antes e logo a seguir à Revolução do 25 de Abril, num período de grandes entusiasmos literários e políticos.

"Era um convívio sempre muito apaixonante. Ele era uma pessoa muito polémica e frontal. Tinha ideias que defendia junto de escritores muito diferentes, como Carlos de Oliveira, Augusto Abelaira, José Gomes Ferreira. Ouvi-lo era sempre fascinante", recordou.

O poeta Nuno Júdice disse ainda que os últimos livros de Herberto Helder "são também muito corajosos, porque é o confronto com a morte, com a decadência física, com a doença mas, ao mesmo tempo, com uma vitalidade surpreendente".

Herberto Helder Luís Bernardes de Oliveira nasceu a 23 de novembro de 1930 no Funchal. "A Morte sem Mestre" foi o último livro do poeta, publicado pela Porto Editora, em junho de 2014.

Tópicos:

Herberto Helder, Júdice, Revolução,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.