Efacec pronta a entrar em Bolsa assim que accionistas decidirem

| Economia

O grupo Efacec quer regressar à Bolsa de Lisboa e está preparado para o fazer assim que os accionistas - Grupo José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves - o decidirem, afirmou hoje à Lusa o presidente-executivo Luis Filipe Pereira.

"A decisão é do accionista. Neste momento, estamos prontos do ponto de vista de gestão e de rentabilidade da empresa para entrar, o problema é o mercado de capitais", afirmou.

Luis Filipe Pereira afirmou que o grupo privilegia a Bolsa enquanto "parte importante da expansão da empresa", embora tenha assegurado que o grupo, com um rácio de endividamento de 2,6 por cento, não tem dificuldade em obter financiamento para suportar a sua expansão internacional.

A Efacec retirou da Bolsa todas as suas acções, a 21 de Fevereiro de 2006, na sequência da concretização da Oferta Pública de Aquisição (OPA) por parte dos seus accionistas de referência - Grupo José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves.

A conclusão da OPA, com sucesso, implicou a exclusão da negociação e a proibição da readmissão das acções da Efacec à negociação em mercado regulamentado durante dois anos.

As acções da Efacec foram em 1969, pela primeira vez, admitidas na Bolsa de Lisboa.

A informação mais vista

+ Em Foco

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam. A votação do acordo em Londres acontece esta terça-feira.

    Rosa Luxemburgo, "uma das melhores cabeças do socialismo internacional", foi assassinada há 100 anos.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.