Estado pode perder mais 80 milhões com venda do Efisa

| Economia
Estado pode perder mais 80 milhões com venda do Efisa

As perdas com a venda do Efisa podem aumentar mais 80 milhões de euros, se somarmos o prejuízo com que o banco foi vendido. O Estado pode sair a perder mais de 130 milhões de euros. O suficiente para construir dois hospitais.

O Estado perdeu 50 milhões de euros com a venda do Efisa, mas os prejuízos podem ser bem superiores e ultrapassar os 100 milhões de euros.

É que para comprar o Efisa, a Pivot, a futura dona, exigiu que o Estado ficasse com os possíveis futuros encargos de dois processos judiciais.

No total, são mais de 80 milhões de euros que podem ter de ser suportados pelos contribuintes, que se juntam a 50 milhões de euros negativos suportados quando o banco foi vendido.

Os dados estão nos documentos processuais que serviram de suporte à venda do Efisa pelo Estado.

Em causa estão dois litígios. O mais pesado foi interposto por um fundo de investimento sedeado nas Ilhas Caimão, um paraíso fiscal, mas também a empresa indiana Visesh Infotecnics tem um processo contra o Efisa.

O banco vai ser comprado sem qualquer contingência pela Pivot, o Estado fica sem a instituição financeira, mas com o risco dos processos que correm em tribunal.

A saída do Efisa do Estado está dependente do parecer do Banco de Portugal e do Banco Central Europeu.

Ambas as entidades foram questionadas pela Antena 1, há várias semanas, mas até ao momento ainda não foi dado qualquer esclarecimento sobre o andamento do processo.

Fonte do fundo que comprou o Efisa garante estar tudo dentro dos prazos previstos.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.