Exportações portuguesas de mobiliário e colchoaria aumentam 4% até fevereiro

| Economia

As exportações portuguesas de mobiliário e colchoaria aumentaram 4% nos primeiros dois meses do ano, face a 2017, somando 294 milhões de euros, anunciou hoje a associação setorial.

Em comunicado, a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) adianta que os dez principais mercados de exportação - França, Espanha, Reino Unido, Alemanha, EUA Holanda, Angola, Suécia, Itália e Bélgica -- representam 84% das vendas do setor para o exterior, com um volume total de 246 milhões de euros.

O mercado francês, com 98 milhões de euros em vendas, destacou-se como o principal destino das exportações do mobiliário e colchoaria, crescendo 9,24% face a igual período de 2017 e alcançado uma quota de 33% do total de exportações.

"A posição de França no `ranking` dos principais destinos comerciais do setor é seguida de perto pela Espanha, com um volume de vendas na ordem dos 73 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 25%", refere a associação.

Segue-se o Reino Unido, no terceiro lugar, com um volume de vendas de 19 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 9% face ao ano anterior e uma quota de mercado de 6%.

Segundo a APIMA, em janeiro e fevereiro foram notórias "melhorias no desempenho" das exportações para os Emirados Árabes Unidos, com um crescimento de 82% face a 2017.

No que se refere às importações de mobiliário e colchoaria, aumentaram 2% no período em análise, para os 146 milhões de euros, pelo que o setor manteve um saldo comercial positivo de 148 milhões de euros, com uma taxa de cobertura das exportações pelas importações de 201%.

 

 

Tópicos:

Bélgica, Emirados Árabes, Indústrias Mobiliário, Unido Alemanha Holanda,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.