Exportações portuguesas de mobiliário e colchoaria aumentam 4% até fevereiro

| Economia

As exportações portuguesas de mobiliário e colchoaria aumentaram 4% nos primeiros dois meses do ano, face a 2017, somando 294 milhões de euros, anunciou hoje a associação setorial.

Em comunicado, a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA) adianta que os dez principais mercados de exportação - França, Espanha, Reino Unido, Alemanha, EUA Holanda, Angola, Suécia, Itália e Bélgica -- representam 84% das vendas do setor para o exterior, com um volume total de 246 milhões de euros.

O mercado francês, com 98 milhões de euros em vendas, destacou-se como o principal destino das exportações do mobiliário e colchoaria, crescendo 9,24% face a igual período de 2017 e alcançado uma quota de 33% do total de exportações.

"A posição de França no `ranking` dos principais destinos comerciais do setor é seguida de perto pela Espanha, com um volume de vendas na ordem dos 73 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 25%", refere a associação.

Segue-se o Reino Unido, no terceiro lugar, com um volume de vendas de 19 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 9% face ao ano anterior e uma quota de mercado de 6%.

Segundo a APIMA, em janeiro e fevereiro foram notórias "melhorias no desempenho" das exportações para os Emirados Árabes Unidos, com um crescimento de 82% face a 2017.

No que se refere às importações de mobiliário e colchoaria, aumentaram 2% no período em análise, para os 146 milhões de euros, pelo que o setor manteve um saldo comercial positivo de 148 milhões de euros, com uma taxa de cobertura das exportações pelas importações de 201%.

 

 

Tópicos:

Bélgica, Emirados Árabes, Indústrias Mobiliário, Unido Alemanha Holanda,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.