Nóvoa não põe em causa subvenções a ex-PR mas reitera que se for Presidente não receberá

| Eleições Presidenciais 2016

O candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa disse hoje não pôr em causa as subvenções vitalícias dos antigos chefes de Estado, que o apoiam nas eleições, mas reiterou que se chegar ao Palácio de Belém não quererá ter a referida subvenção.

"Tenho um enorme respeito por tudo o que são contratos com pessoas, previsibilidade nas vidas das pessoas. Respeito isso integralmente. Mas julgo que ao olhar para o futuro temos o direito também de dizer o que é a nossa opção. E a minha opção é que nunca quererei ter uma subvenção desse tipo", vincou Nóvoa.

O candidato falava à agência Lusa no Porto, numa pequena pausa depois de uma ação em Gondomar e antes da tradicional arruada na rua de Santa Catarina, na cidade invicta.

Esta tarde, o `histórico` socialista Manuel Alegre acusou Sampaio da Nóvoa de ofender os antigos Presidentes da República ao defender o fim das subvenções vitalícias para ex-titulares de cargos públicos, e Nóvoa vincou que a sua posição sobre a matéria para o futuro não põe em causa as subvenções de Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio, antigos chefes de Estado que apoiam a candidatura do antigo reitor.

O aspirante a Belém reiterou que ao longo da campanha e "desde o primeiro dia" evitou sempre "a pequena trica, a pequena intriga": "Nunca me viram a atacar os partidos", advertiu.

Na breve conversa tida com a Lusa, o antigo reitor - que nunca havia concorrido a eleições ou integrado uma campanha eleitoral - definiu como uma "experiência extraordinária" as duas semanas oficiais de campanha rumo ao sufrágio de domingo.

"Acho que passar por isto é uma coisa única na vida de uma pessoa. Estou felicíssimo por isso e pela maneira como as coisas correram. Estou muito contente e ao mesmo tempo muito descontraído. Estou menos cansado hoje do que no primeiro dia de campanha", sublinhou.

O candidato diz que a maior marca do tempo na estrada é o "contacto direto com as pessoas nas ruas", as mensagens que recebeu, "sobretudo ao ouvido, sobretudo aqueles pedidos de esperança e de crença".

"Esses momentos são marcantes, tenho muitos gravados na minha memória", disse.

A nível de palco e comícios, Matosinhos "foi muito marcante", pese embora ainda faltem os comícios desta noite, no Porto, e de sexta-feira em Lisboa, evento que sucederá à tradicional descida do Chiado na capital portuguesa.

As eleições presidenciais decorrem no domingo e Sampaio da Nóvoa tem reiterado que a sua candidatura é a única capaz, numa eventual segunda volta, de derrotar a candidatura recomendada por PSD e CDS-PP, a de Marcelo Rebelo de Sousa.

As subvenções vitalícias são uma pensão mensal, criada em 1985, destinada aos antigos titulares de cargos políticos e criada como forma de compensar o serviço à causa pública. Esse direito foi extinto em 2005, pelo Governo de José Sócrates: a partir de então, só quem tenha mais de 55 anos e já tenha completado 12 anos em funções políticas pode pedir para receber a subvenção.

Na segunda-feira, o Tribunal Constitucional (TC) declarou a inconstitucionalidade da norma que foi introduzida pela primeira vez no Orçamento do Estado para 2014, e que teve como consequência a suspensão do pagamento das subvenções vitalícias a ex-titulares de cargos políticos cujo rendimento do agregado familiar fosse superior a 2 mil euros. 

Tópicos:

Sampaio,

A informação mais vista

+ Em Foco

No Telejornal, Bernardo Pires de Lima comentou a decisão da Casa Branca sobre Jerusalém, agora reconhecida como a capital de Israel.

A Coreia do Norte continua a desafiar o mundo com testes de mísseis balísticos e armas nucleares.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.