Um debate, nove candidatos, cinco capítulos: o essencial do confronto

| Eleições Presidenciais 2016

O derradeiro debate decorreu na Fundação Champalimaud em Lisboa.
|

O debate a dez acabou por ser a nove. Apesar do falecimento de Almeida Santos, nove dos dez candidatos a Belém marcaram presença no derradeiro debate antes da primeira volta das eleições presidenciais. Só Maria de Belém acabou por não comparecer, tendo cancelado todos os eventos de campanha.

A homenagem ao histórico socialista mantinha-se presente na Fundação Champalimaud, pelas muitas gravatas pretas que ostentavam os candidatos. No derradeiro confronto antes das eleições de domingo, as questões orçamentais voltaram a estar em discussão. Não debateu Maria de Belém, debateram os restantes.

Também o combate à corrupção esteve em cima da mesa, não fosse Paulo de Morais um dos candidatos presentes. Cândido Ferreira trouxe a questão da licenciatura de Sampaio da Nóvoa a debate e quase todos os candidatos se mostraram contra a decisão do Tribunal Constitucional em relação às subvenções vitalícias dos políticos.

Em geral, a temperatura permaneceu morna na Fundação Champalimaud. Houve ainda espaço para algumas picardias e momentos mais humorísticos, promovidos pelo candidato Vitorino Silva.
Orçamento do Estado
A aprovação do Orçamento de Estado para este ano dividiu os candidatos presidenciais no debate. Marcelo Rebelo de Sousa promete, se for eleito, aprovar o Orçamento.

O candidato, que vai à frente nas sondagens, refere que o primeiro-ministro confirmou que pretende cumprir a meta dos três por cento nos défices e cumprir as regras da moeda única.

Marcelo acredita que o futuro Presidente da República “deve fazer os possíveis e os impossíveis para viabilizar o Orçamento do Estado”. O candidato frisou ainda que as eleições presidenciais não são uma “segunda volta” das legislativas de outubro.


Reveja todas as intervenções dos candidatos aqui

Sobre o Orçamento, Sampaio da Nóvoa tem uma posição diferente e prefere não se pronunciar sobre cenários. O candidato da área socialista reforça que o Presidente deve apelar à estabilidade, mas volta a enfatizar que não se promete aprovar um documento que não existe ainda.

Marisa Matias diz que está convencida que o respeito pelos acordos à esquerda permitirão aprovar mais do que um orçamento. A candidata diferencia este orçamento e os retificativos, como é o caso do recentemente aprovado, fruto da resolução aplicada ao Banif.

Edgar Silva promete, enquanto Presidente da República, empenhar-se para que os compromissos assumidos sejam cumpridos. O candidato salienta que, mais do que com a dívida financeira, está preocupado com a "dívida social que está por saldar".

O candidato garante que será um "português na defesa dos interesses nacionais" caso seja eleito Presidente da República. Promete empenhar-se em "tudo o que seja necessário e possível" para que sejam cumpridos os compromissos assumidos perante os portugueses.
Corrupção
Com Paulo de Morais presente no debate, a corrupção tinha de ser um dos temas marcantes. O candidato mantém que esta é uma das suas lutas. Morais rejeita que tenha dito que os políticos são todos corruptos, mas frisa que há uma minoria que o é. “Uma minoria que manda mais e manda nos outros todos", assegura o candidato.

Antes, Marisa Matias tinha lamentado que Paulo de Morais coloque “todos os políticos no mesmo saco”, considerando que este é um favor que se faz aos corruptos.


Edgar Silva defendeu que Belém deve ter um papel no combate à corrupção, tendo ainda defendido o fim do sigilo bancário e o reforço dos poderes de intervenção do Ministério Público.

Henrique Neto defendeu que a promiscuidade entre política e negócios é um dos problemas de Portugal.
Licenciatura de Nóvoa

Um dos momentos quentes do debate aconteceu quando Cândido Ferreira colocou em causa a carreira académica de Sampaio da Nóvoa. O candidato acusou o antigo reitor da Universidade de Lisboa de se referir por diversas vezes a uma "falsa licenciatura" em Teatro, no Conservatório Nacional, quando esse curso ainda não concedia o grau de licenciado.

Em resposta, Nóvoa fala de acusações caluniosas que são armas próprias "dos desesperados" e remata: "Não há ninguém neste país que tenha sido tão escrutinado do ponto de vista académico como eu, porque fui escrutinado ao longo de toda a minha vida académica, sempre em concursos de provas públicas."


Ainda antes de conquistar um dos aplausos da noite, Sampaio da Nóvoa esclarece que tem no currículo vários cursos que não constituem licenciaturas e que a sua formação de base é em Ciências da Educação. O candidato desafia ainda Cândido Ferreira a consultar a documentação referente à sua formação académica.

Cândido Ferreira atacou também Marcelo Rebelo de Sousa, tendo-o acusado de não ter cumprido as suas obrigações militares. Marcelo referiu que a prestação do serviço militar foi adiada para prestação de provas académicas e que, posteriormente, se deu o 25 de abril.
Subvenções vitalícias
O tema das subvenções vitalícias não passou despercebido, na semana em que os juízes do Palácio Ratton anunciaram o chumbo às normas do Orçamento do Estado que alteravam o regime das subvenções vitalícias a ex-titulares de cargos políticos.

Marisa Matias, a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, fez questão de sublinhar o silêncio de grande parte dos candidatos em relação a esta medida polémica, um silêncio que atribui aos apoios de Sampaio da Nóvoa e de Marcelo Rebelo de Sousa, onde se encontram signatários do pedido de fiscalização.


A eurodeputada destaca que a própria candidata presidencial Maria de Belém foi uma das deputadas subscritoras deste documento de pedido de fiscalização sucessiva.

Marcelo Rebelo de Sousa negou as acusações e refere que "sempre foi crítico" das subvenções vitalícias a ex-políticos, considerando que a decisão do Constitucional é "difícil de aceitar do ponto de vista da justiça social". Sampaio da Nóvoa reconheceu, à entrada para a Fundação Champalimaud, que este é um tema "importante", mas ficou em silêncio durante o debate.

De resto, os candidatos Henrique Neto e Vitorino Silva foram os mais duros nas críticas apontadas ao TC. Enquanto o empresário se insurge "contra a vergonha da subvenção vitalícia", o candidato de Rans é perentório na sua indignação: "Subvenções vitalícias? Eu tinha vergonha. Doze anos no parlamento? Eu tinha vergonha".
Picardias e gargalhadas
Num debate a nove, tempo houve ainda para as tradicionais picardias. Alguns candidatos acusaram-se mutuamente sobre a forma como a campanha está a decorrer. Entre momentos mais tensos e outros mais descontraídos, todos tentaram apontar o dedo aos defeitos das candidaturas adversárias.

Henrique Neto criticou os “candidatos do sistema”, que acusa de terem estado a "enrolar" durante o debate e não a explicar o que pretendem fazer. Neto acusou mesmo Marcelo de ter “lavado as mãos como Pilatos”.


Cândido Ferreira criticou Paulo de Morais por ausência de cumprimento das obrigações de entrega de documentos para com o Tribunal Constitucional.
 
Os momentos mais irónicos ficaram a cargo de Tino de Rans. O candidato disse que não estava ali para “intrigalhadas” e que havia partes do debate que não lhe pareciam ter interesse. Vitorino Silva protagonizou um momento que motivou os risos da plateia com a deputada Marisa Matias.

Momentos mais divertidos que motivaram gargalhadas da plateia e que marcaram este derradeiro debate. A campanha eleitoral segue agora até à próxima sexta-feira. No sábado, os portugueses refletem. No domingo, é dia de ir às urnas.

Tópicos:

Cândido Ferreira, Edgar Silva, Eleições, Henrique Neto, Jorge Sequeira, Marcelo Rebelo de Sousa, Maria de Belém, Marisa Matias, Paulo de Morais, Presidenciais, RTP, Sampaio da Nóvoa, Tino de Rans, Vitorino Silva, Debate,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Em entrevista exclusiva ao "Olhar o Mundo" aquele que já foi o mais novo primeiro-ministro da União Europeia (2014-2016) aconselha Portugal a apostar nas novas tecnologias e na juventude do país.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.