"O que te aconteceu Europa?"

| Mundo

Palavras que ecoam no mundo
|

No discurso que fez esta sexta-feira, no momento em que aceitou o Prémio Carlos Magno, o Papa Francisco lançou no Vaticano, e em forma de pergunta, algumas críticas à Europa.

O que te aconteceu Europa do humanismo, paladina dos direitos humanos, da democracia e da liberdade? A pergunta é do Papa Francisco no momento de receber uma das mais importantes condecorações europeias e onde estiveram presentes outros condecorados e anteriores vencedores, como é o caso da Chanceler alemã Angela Merkel e do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz.
 
Franscisco aproveitou a oportunidade para deixar recados a alguns dos mais influentes políticos europeus, numa altuira em que a Europa procura soluções para a onda de migrantes vindos de cenários de guerra e de outros países onde a instabilidade política e económica se faz sentir.

As perguntas que obrigam a uma reflexão conjunta

As palavras do Papa são bem claras e quase que obrigam a uma reflexão dos decisores políticos.

O que te aconteceu Europa do humanismo, paladina dos direitos humanos, da democracia e da liberdade?

O que aconteceu à Europa, terra dos poetas, filósofos, artistas, músicos, homens e mulheres de letras?

O que te aconteceu Europa, mãe dos povos e das nações, mãe de grandes homens e mulheres que chegaram a dar a vida pela dignidade dos seus irmãos e irmãs?


O Pontífice é visto por muitos como uma espécie de "voz da consciência"  e esta sexta-feira, em plena sala Regia, o Papa soltou de nova palavras que pensam a Europa, um facto que justifica a atribuição do Prémio a Francisco, tal como é justificado por quem decidiu a condecoração de 2016: Franscisco é um homem que "inspira esperança, um embaixador da paz e da proximidade em uma Europa forte, um homem cujas palavras têm peso e são ouvidas com atenção pelo mundo inteiro".
 
O sonho europeu de Francisco

A atual política europeia passa por limitar a entrada de migrantes no espaço europeu depois do acordo celebrado entre a União Europeia e a Turquia - acordo sob intensas críticas - e que prevê a devolução de pessoas indevidamente documentadas.

Na hora de receber o Prémio Carlos Magno, criado em 1950 na cidade alemã de Aachen, o Papa não escondeu o seu sonho de uma Europa que respeite "a dignidade de todos os seres humanos", ou seja, uma alusão ao que se tem vivido nas fronteiras europeias onde ser imigrante - tal como refere o Papa - não seja "delito".

Numa Europa em convulsão, seja pela onda migratória, seja pela ameaça constante do terrorismo, as palavras do Papa estão em sintonia com a ideia originária deste Prêmio Carlos Magno: trata-se de uma condecoração que reconhece o trabalho excecional de figuras públicas ou instituições em defesa de uma unidade na Europa.

A condecoração tem o nome de Carlos Magno, aquele que foi o primeiro imperador do Sacro Império Romano, coroado por Papa Leão III. Carlos Magno destacou-se ao estabeler a Europa Ocidental e a posição do continente na Idade Média.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.