"O que te aconteceu Europa?"

| Mundo

Palavras que ecoam no mundo
|

No discurso que fez esta sexta-feira, no momento em que aceitou o Prémio Carlos Magno, o Papa Francisco lançou no Vaticano, e em forma de pergunta, algumas críticas à Europa.

O que te aconteceu Europa do humanismo, paladina dos direitos humanos, da democracia e da liberdade? A pergunta é do Papa Francisco no momento de receber uma das mais importantes condecorações europeias e onde estiveram presentes outros condecorados e anteriores vencedores, como é o caso da Chanceler alemã Angela Merkel e do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz.
 
Franscisco aproveitou a oportunidade para deixar recados a alguns dos mais influentes políticos europeus, numa altuira em que a Europa procura soluções para a onda de migrantes vindos de cenários de guerra e de outros países onde a instabilidade política e económica se faz sentir.

As perguntas que obrigam a uma reflexão conjunta

As palavras do Papa são bem claras e quase que obrigam a uma reflexão dos decisores políticos.

O que te aconteceu Europa do humanismo, paladina dos direitos humanos, da democracia e da liberdade?

O que aconteceu à Europa, terra dos poetas, filósofos, artistas, músicos, homens e mulheres de letras?

O que te aconteceu Europa, mãe dos povos e das nações, mãe de grandes homens e mulheres que chegaram a dar a vida pela dignidade dos seus irmãos e irmãs?


O Pontífice é visto por muitos como uma espécie de "voz da consciência"  e esta sexta-feira, em plena sala Regia, o Papa soltou de nova palavras que pensam a Europa, um facto que justifica a atribuição do Prémio a Francisco, tal como é justificado por quem decidiu a condecoração de 2016: Franscisco é um homem que "inspira esperança, um embaixador da paz e da proximidade em uma Europa forte, um homem cujas palavras têm peso e são ouvidas com atenção pelo mundo inteiro".
 
O sonho europeu de Francisco

A atual política europeia passa por limitar a entrada de migrantes no espaço europeu depois do acordo celebrado entre a União Europeia e a Turquia - acordo sob intensas críticas - e que prevê a devolução de pessoas indevidamente documentadas.

Na hora de receber o Prémio Carlos Magno, criado em 1950 na cidade alemã de Aachen, o Papa não escondeu o seu sonho de uma Europa que respeite "a dignidade de todos os seres humanos", ou seja, uma alusão ao que se tem vivido nas fronteiras europeias onde ser imigrante - tal como refere o Papa - não seja "delito".

Numa Europa em convulsão, seja pela onda migratória, seja pela ameaça constante do terrorismo, as palavras do Papa estão em sintonia com a ideia originária deste Prêmio Carlos Magno: trata-se de uma condecoração que reconhece o trabalho excecional de figuras públicas ou instituições em defesa de uma unidade na Europa.

A condecoração tem o nome de Carlos Magno, aquele que foi o primeiro imperador do Sacro Império Romano, coroado por Papa Leão III. Carlos Magno destacou-se ao estabeler a Europa Ocidental e a posição do continente na Idade Média.

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.