Pathé Duarte: "Portugal não está na linha da frente mas nunca deixou de ser alvo" do Estado Islâmico

| Mundo
Pathé Duarte: Portugal não está na linha da frente mas nunca deixou de ser alvo do Estado Islâmico

A ver: Pathé Duarte: "Portugal não está na linha da frente mas nunca deixou de ser alvo" do Estado Islâmico

Portugal surge nas listas de alvos para o terrorismo jihadista. No Jornal 2, Felipe Pathé Duarte, do Observatório de Segurança, Terrorismo e Crime Organizado, lembra que o país "não está na linha da frente mas nunca deixou de ser um alvo do Daesh que quer reinstalar o Al Andaluz". Este é um território do qual Portugal faz parte.

Quanto às ações no terreno, sobretudo na Síria, onde a ofensiva governamental está a fazer o Estado Islâmico perder território, o comentador faz questão de lembrar que os extremistas "estão de facto a recuar, o que não quer dizer que estejam derrotados".

Depois de retomado o controlo de Palmira, as forças sírias preparam o assalto à região petrolífera de Deir Ezzor, no leste do país. Damasco também já olha para Raqqa, a cidade que já foi considerada a "capital" do Estado Islâmico.

Felipe Pathé Duarte comenta ainda a dimensão líbia deste problema: as Nações Unidas procuram patrocinar um governo que coloque termo a um Estado falhado onde o autoproclamado Estado Islâmico já controla quase um quarto do território.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.