Pathé Duarte: "Portugal não está na linha da frente mas nunca deixou de ser alvo" do Estado Islâmico

| Mundo
Pathé Duarte: Portugal não está na linha da frente mas nunca deixou de ser alvo do Estado Islâmico

A ver: Pathé Duarte: "Portugal não está na linha da frente mas nunca deixou de ser alvo" do Estado Islâmico

Portugal surge nas listas de alvos para o terrorismo jihadista. No Jornal 2, Felipe Pathé Duarte, do Observatório de Segurança, Terrorismo e Crime Organizado, lembra que o país "não está na linha da frente mas nunca deixou de ser um alvo do Daesh que quer reinstalar o Al Andaluz". Este é um território do qual Portugal faz parte.

Quanto às ações no terreno, sobretudo na Síria, onde a ofensiva governamental está a fazer o Estado Islâmico perder território, o comentador faz questão de lembrar que os extremistas "estão de facto a recuar, o que não quer dizer que estejam derrotados".

Depois de retomado o controlo de Palmira, as forças sírias preparam o assalto à região petrolífera de Deir Ezzor, no leste do país. Damasco também já olha para Raqqa, a cidade que já foi considerada a "capital" do Estado Islâmico.

Felipe Pathé Duarte comenta ainda a dimensão líbia deste problema: as Nações Unidas procuram patrocinar um governo que coloque termo a um Estado falhado onde o autoproclamado Estado Islâmico já controla quase um quarto do território.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.