Yanis Varoufakis afirma que acordo está "mesmo à mão"

| Mundo

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, assegurou hoje que um acordo com os credores está "mesmo à mão" e que as negociações com as instituições europeias têm estado a desenrolar-se, apesar da anunciada suspensão das mesmas.

"Um acordo está em vista seja a resposta `sim` ou `não`" no referendo, declarou o ministro do partido de esquerda radical Syriza à rádio pública irlandesa RTÉ.

Os gregos deverão pronunciar-se no domingo sobre a última versão de uma proposta de acordo dos credores da Grécia, que prevê uma série de reformas e de medidas orçamentais em troca da continuação do apoio financeiro ao país.

O Governo grego apela à população para votar `não`, mas o `sim` está ligeiramente à frente, segundo uma sondagem publicada hoje pelo jornal grego Ethnos.

"Se for `não`, posso assegurar que durante esta semana de impasse recebemos propostas convenientes provenientes da Europa, confidenciais, e um acordo está mais ou menos selado", afirmou Yanis Varoufakis.

O ministro grego foi pressionado pelo jornalista da RTÉ a confirmar se houve negociações privadas com a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE), apesar de numerosos responsáveis europeus terem assegurado que não haveria mais conversações antes do referendo. "É o que eu disse, não é?", afirmou Varoufakis à laia de confirmação.

"Não acho que seja demasiado tarde. Poderíamos encontrar um acordo amanhã de manhã", adiantou.

"O Governo grego e as instituições (credores) estão muito muito próximas no que diz respeito à política orçamental e à lista de reformas. A diferença que permanece diz respeito à reestruturação da dívida", sublinhou.

Na quinta-feira, Yanis Varoufakis, assegurou que "não será" mais ministro das Finanças da Grécia se o `sim` vencer no referendo de domingo.

À pergunta "se o `sim` ganhar, na segunda-feira não será mais ministro das Finanças?", Varoufakis respondeu: "Não serei", referindo-se ao escrutínio sobre as últimas propostas de financiamento dos credores da Grécia, que o Governo liderado pelo Syriza pede para rejeitar.

O Governo liderado pelo partido de esquerda radical Syriza apelou aos gregos para rejeitarem este texto porque alega que se traduzirá no prolongamento da austeridade e não soluciona a longo prazo o problema da pesada dívida pública da Grécia.

Numerosos responsáveis europeus e determinados observadores afirmam que uma vitória do `não` poderia provocar a saída da Grécia da zona euro, que seria um acontecimento inédito na história da união monetária e que aparenta ser um salto para o desconhecido para as instituições.

Mas, o Governo grego assegura que negociará para permanecer no euro se o `não` vencer no referendo.

"Se o `não` vencer como nós recomendamos ao povo grego, recomeçaremos imediatamente a negociar e, acreditem em mim, haverá um acordo sobre bases diferentes das apresentadas pelas instituições" (Comissão Europeia, União Europeia, Fundo Monetário Internacional), afirmou Varoufakis.

Varoufakis disse ainda que as propostas dos credores tinham sido apresentadas na semana passada "sob a forma de `pegar ou largar`" e assegurou que a votação no domingo não é sobre a permanência da Grécia na união monetária.

"Nós queremos desesperadamente ficar no euro, mesmo criticando o seu quadro institucional", disse.

Tópicos:

Finanças? Varoufakis, Monetário,

A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Os dias estão mais quentes e não é por causa do advento da primavera. A razão está identificada - as alterações climáticas fazem-se sentir em todo o planeta e as consequências espelham-se em fenómenos extremos.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.